O ministro do trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS), rebateu na tarde desta quinta-feira (22) as críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que havia sugerido que ele deveria “falar pouco e produzir mais”. Nogueira afirmou, durante visita à Federação das Indústrias dos Estado de Minas Gerais (Fiemg), que as eventuais discordâncias entre deputados devem ser resolvidas na tribuna da Câmara e não em eventos setoriais. Ele disse que perdoa Maia.

“O Brasil não merece que seus líderes fiquem brigando agora. Precisamos ter entendimento e disposição. Precisamos do deputado Rodrigo Maia para votar, antes do fim do ano, a PEC que estabelece o teto dos gastos públicos. Depois, temos o tema da Previdência Social, que precisa ter sustentabilidade, e depois a atualização da legislação trabalhista. São temas importantes e o Brasil não pode esperar mais, mas não dá pra fazer as coisas com o fígado”, afirmou.

Questionado sobre um possível clima de ressentimento criado pela declaração de Maia, o ministro garantiu que vai relevar as palavras do presidente da Câmara. “Tenho respeito pelo deputado (Rodrigo Maia), assim como tenho respeito por outros deputados. Meu coração é aberto para perdoar e compreender”, afirmou.

A declaração de Maia foi dada em um evento para empresários durante o Congresso Brasil Competitivo, na tarde desta quarta-feira (21), em um hotel na capital paulista. No comando interino do Palácio do Planalto, o presidente da Câmara criticou a declaração de Nogueira, de que a reforma trabalhista ficaria apenas para o segundo semestre de 2017.