Casa arrumada ao final do mandato, aumento de vagas de emprego, redução da dívida com a União e estreitamento com a população foram algumas das promessas feitas pelo governador Romeu Zema (Novo) na solenidade que marcou o início do mandato, realizada na Cidade Administrativa, nesta terça-feira (1º). Para alcançar o resultado, Zema garante que vai gerir o Estado com mãos de ferro. 

"Podemos reclamar das gestões passadas e perder mais quatro anos ou buscar as soluções e os recursos para resolver os problemas", ponderou o governador. Cerca de três mil pessoas assistiram à solenidade. Quatro mil foram convidadas. 

Segundo Zema, será preciso cortar gastos, secretarias e adotar medidas duras. "Ou tomamos o remédio amargo ou será necessário aumentar, e muito, a dose dele no futuro. Isso deveria ter sido feito anos atrás, com medidas mais austeras. Tomaremos as ações e teremos sacrifícios", diz. 

Como exemplo do corte de gastos, ele disse que o lanche oferecido às autoridades no evento foi patrocinado por empresas alimentícias do Estado. 

Romeu Zema na Cidade Administrativa

Governador foi recebido na Cidade Administrativa, após posse oficial na Assembleia Legislativa

Posse

A solenidade oficial de posse foi realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), onde Romeu Zema recebeu o colar da Inconfidência das mãos de Fernando Pimentel (PT). 

De lá, Zema e outras autoridades seguiram para a Cidade Administrativa, onde foi realizado um ato simbólico. Os pais de Zema, amigos, políticos e militantes do partido Novo participaram da cerimônia. 

O governador foi recebido pelos Dragões da Inconfidência e, em seguida, passou em revista à tropa. Ao lado do vice-governador, Paulo Brant, ele seguiu ao palco.

Leia  mais:

Governador eleito em Minas, Romeu Zema toma posse na Assembleia Legislativa, em Belo Horizonte