Em pouco mais de um mês, os trabalhadores que têm dinheiro no Fundo de Garantia começarão a sacar parte do capital, limitado a R$ 500 por conta, conforme determinado pelo governo federal. Em seis meses, cerca de 10,2 milhões de mineiros terão acesso ao recurso, movimentando R$ 3,5 bilhões no Estado. Apesar de o teto individual ser baixo, o comércio está animado. Ao quitar as dívidas, conforme é esperado, o consumidor abre espaço para comprar mais, movimentando a economia e, possivelmente, gerando mais postos de trabalho.

“Ainda não sabemos qual será o impacto real no comércio, mas estamos otimistas. Acreditamos que as pessoas vão priorizar o pagamento das contas mas, como o valor é baixo, esperamos que muitas comprem algo que estão precisando também”, afirma a economista da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Ana Paula Bastos.

A economista da Federação do Comércio de Minas Gerais (Fecomércio MG), Bárbara Guimarães, também acredita que a liberação do dinheiro vai ajudar a movimentar o comércio. “A tendência é de que o consumidor pague as contas para pegar mais crédito. Assim, ele volta a consumir no comércio varejista”, diz.

Dívidas

Se as previsões das duas estiverem certas, é possível que muita gente limpe o nome. Segundo levantamento da SPC Brasil e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), em junho deste ano 37,38% dos consumidores tinham dívidas de até R$ 500. Aqueles com débitos entre R$ 500 e R$ 1 mil representam 15,9% e as pessoas que devem entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil representavam 20,34% da população. 

Na avaliação do consultor financeiro Paulo Vieira, o consumidor deve levar o custo da dívida em consideração para decidir qual débito irá quitar, caso o dinheiro não seja suficiente para sanar todos. “A recomendação é a mesma de quando entra o 13º ou um dinheiro extra. Como o rendimento do Fundo de Garantia é menor do que de qualquer dívida, compensa abater prestações, acabar com dívidas...”, ressalta. 

Sem débitos

E para quem não tem dívidas, a dica do especialista é avaliar as intenções com relação ao futuro. “Tem gente que pretende fazer uma viagem, tem gente que precisa do dinheiro para juntar com o que tem e dar entrada em algum projeto”, exemplifica. 

Esse é exatamente o caso do técnico em mecânica Pedro Henrique Rocha Cardoso. Com duas contas do FGTS inativas e um uma ativa, ele vai usar os cerca de R$ 1,2 mil para juntar com o que tem e dar um bom lance em um consórcio de veículos. “Sem esse dinheiro, o lance não seria tão forte. Com o incremento, melhoram, e muito, as minhas chances de conseguir comprar um carro”, comemora.

Quem tem mais de uma conta poderá retirar mais de R$ 500

Embora o valor máximo de resgate de cada conta do FGTS seja de R$ 500, os trabalhadores que tiverem vários contratos podem acumular mais dinheiro, conforme informações da Caixa. Isso significa que se a pessoa tiver três contas com mais de R$ 500, por exemplo, ela pode retirar até R$ 1,5 mil. Quando tiver menos de R$ 500, o valor integral pode ser sacado. No Brasil, 96,5 milhões de trabalhadores poderão resgatar R$ 39,9 bilhões.
“Achei bom porque eu tenho duas contas que ultrapassam os R$ 500 e outra com cerca de R$ 200. Essa última eu nem lembrava que existia”, afirma o técnico em mecânica Pedro Henrique Rocha Cardoso.

Para descobrir quantas contas tem e qual o valor depositado nelas, o trabalhador pode acessar o site da Caixa ou do próprio FGTS. Além disso, o banco lançou nova versão do aplicativo FGTS, disponível para download nas lojas App Store e Google Play. Com ele, o trabalhador pode verificar o valor e a data prevista para o saque imediato, dentre outras funcionalidades. 

O trabalhador também pode consultar os valores pelo telefone. O número é o 0800 724 2019. Mais para frente, a instituição financeira abrirá duas horas mais cedo e aos sábados.

Quem é correntista ou tem poupança na Caixa receberá o dinheiro automaticamente. Aqueles que não são clientes devem ficar atentos ao calendário de retirada, montado de acordo com a data de aniversário do trabalhador. 

Neste caso, para quem possui cartão e senha do Cidadão, o saque pode ser feito nos terminais de autoatendimento. Os saques de até R$ 100 poderão ser realizados em casas lotéricas, mediante apresentação de documento de identidade original com foto e número do CPF.

Saque-aniversário

A partir do ano que vem, quem tem carteira assinada pode optar pelo chamado “saque-aniversário”, modalidade de saque do FGTS anunciada pelo governo em julho. Neste caso, a pessoa pode resgatar parte do Fundo de Garantia anualmente. Em contrapartida, caso seja demitida ela perde o direito de tirar o dinheiro completo. 

Vale ressaltar que a migração não é obrigatória. O trabalhador interessado deve comunicar ao banco o desejo de migrar para a modalidade “saque-aniversário” até 1º de outubro deste ano. Caso o titular de conta do FGTS não comunique ao banco o interesse em migrar, permanecerá na regra do saque rescisão.