Crítico ferrenho à administração do governador Fernando Pimentel (PT), o candidato do Novo ao Palácio da Liberdade, Romeu Zema, vencedor do primeiro turno da eleição, adotou um tom conciliador, e não descartou o apoio do petista, que terminou o pleito na terceira colocação, e está fora da disputa.

Antes de participar de um encontro com lideranças da Igreja Batista da Lagoinha, na região Noroeste de Belo Horizonte, o empresário comentou sobre possíveis composições para o segundo turno, e afirmou que não rejeitaria o apoio do atual governador.  

“De adversário direto, só o Mares Guia (declarou apoio). Os demais não se manifestaram ainda. Estamos abertos aos apoios. Se o Pimentel concordar com nossas propostas, e quiser apoiar, desde que não haja balcão de negócios, não vamos nos recusar a construir uma Minas Gerais nova”, pontuou.

Defensor de propostas ousadas, como a privatização de estatais e a redução de privilégios para a classe política, Zema indicou que já mira as conversas com a nova bancada da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para viabilizar a implantação dos seus planos de governo.

“O diálogo na Assembleia vai ser o mais aberto e transparente possível. Quero influenciar muitos deputados, lembrando que tivemos uma renovação expressiva. Vai ser muito em cima de conduzir um processo de mudança. Quero conscientizar os deputados que eu e eles estamos representando o povo. Temos que fazer o que é melhor para o mineiro, não o que é melhor para determinada categoria ou políticos.

Apoio na disputa presidencial

Mesmo com os indicativos de que apoiaria Jair Bolsonaro (PSL) na disputa do segundo turno da eleição presidencial contra Fernando Haddad, o Novo vai se manter neutro na disputa.

Em nota, o diretório nacional do partido afirmou que não vai apoiar nenhum candidato à Presidência. Todavia, a legenda reafirmou que é totalmente contrária ao PT.