Uma força-tarefa composta pelo Ministério Público Estadual, Receita Estadual e Polícia Civil deflagrou, na manhã desta quarta-feira (8/7), a operação "Direto com o Dono", contra empresários do ramo de eletrodomésticos e eletroeletrônicos que teriam sonegado, ao longo de mais de cinco anos, cerca de R$ 400 milhões em impostos devidos ao Estado de Minas Gerais.

De acordo com a Receita Estadual, serão cumpridos três mandados de prisão e 14 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Vara de Inquéritos de Contagem. Os alvos dos mandados estão localizados nos municípios de Belo Horizonte, Contagem, Nova Lima, São Paulo e Santo André.
 
A investigação ganhou força após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de novembro de 2019, que definiu como crime a apropriação de ICMS cobrado de consumidores em geral e não repassados ao Estado.

Esquema de sonegação

Conforme a Receita, a fraude ocorria quando as empresas de uma grande rede de varejo cobravam dos consumidores, embutido no preço dos produtos, o valor correspondente ao imposto. No entanto, os investigados não faziam o repasse e se apropriavam desses valores.

O montante da sonegação chega a R$ 400 milhões, mas a mesma rede tem dívidas vultosas em praticamente todos os estados onde possui filiais.

Leia também:
Covid-19: Rede solidária é criada em Minas para remanejar medicamentos durante a pandemia
Governo vai apoiar 90 projetos de pesquisa sobre combate à covid-19
Projeto que autoriza eventos no formato de drive-in é aprovado pela Câmara de BH