Prestaram depoimento na tarde desta terça-feira (11), na sede da Polícia Federal, no bairro Gutierrez, na região Oeste da capital, outros cinco envolvidos na Operação Ross, que investiga suposto esquema de corrupção envolvendo o senador e deputado federal eleito, Aécio Neves (PSDB).

Estiveram na sede da PF os empresários Roberto de Matos Resende e Nilton Alves Fernandes, ambos sócios do Supermercado Epa, acusados no inquérito policial de emitir notas frias como pagamento de propinas a Aécio Neves. Questionado antes de depor, Roberto se limitou a dizer que "notas frias não são o meu caso".

Ainda foram ouvidos o empresário Waldir Rocha Pena, sócio do Supermercado BH, uma funcionária da mesma empresa e o empresário Ronosalto Pereira Neto, do Supermercado MartMinas. Sem maiores detalhes sobre seu depoimento, Waldir afirmou que "sua empresa não está envolvida". 

Waldir também esteve arrolado na Operação Capitu, deflagrada pela Polícia Federal no início de novembro deste ano, e que investiga esquema de pagamento de propina no Ministério da Agricultura, com objetivo de beneficiar a J&F. Na ocasião, o vice-governador do Estado, Antônio Andrade (MDB) foi preso.

Empresários e empresas citadas na matéria foram procurados, mas ainda não se manifestaram sobre as denúncias.

Leia mais:
Ministro do STF aponta indícios de relação ilícita de Aécio Neves com a J&F
Marco Aurélio rejeitou prisão domiciliar para Aécio, Cristiane, Paulinho e Gama
Irmã de Aécio Neves deixa sede da PF em BH após prestar esclarecimentos