Depois de colocar no mercado o SUV elétrico EQC (que foi um dos destaques do Salão do Automóvel de 2018), a Mercedes-Benz acaba de revelar o EQA. Trata-se de uma versão compacta do jipinho elétrico, como se fosse o GLA diante do GLC, na gama de modelos a combustão.

O utilitário chega para ampliar a divisão Mercedes-EQ (dedicada à elétricos), assim como a Mercedes-AMG se dedica aos modelos de alto desempenho. Com o EQA a marca pretende ampliar sua participação no mercado de carros eletrificados. 

A expectativa da Estrela de Três Pontas é tão otimista que o modelo será feito nas plantas de Rastatt (Alemanha) e também em Pequim, só para atender à demanda do mercado chinês, que se tornou referência na venda de elétricos.

Seu visual segue a linha do irmão mais velho, mas com desenho que remete ao GLA. A grade tapada deixa claro que não há um motor a combustão sugando ar sob o capô. As rodas raiadas também realçam a linhagem eletrificada. No entanto, a parte mais atraente está na traseira, com as lanternas que se integram de ponta a ponta por um filamento em LED.

Motor e baterias

Com chegada às revendas europeias no início do segundo trimestre, o EQA é equipado com conjunto de baterias compactas de 66 kWh, divididas em três módulos montados sob o assoalho. Segundo a marca, a autonomia do jipinho é de 480 quilômetros.

De acordo com a Mercedes, o EQA terá versões com um e dois motores, sendo que a segunda é dedicada às versões mais sofisticadas e com tração integral. A versão EQA 250 é equipada com uma unidade que entrega cerca de 190 cv e 37,5 mkgf de torque.

Números que garantem ótimo comportamento ao jipinho. Sua aceleração de 0 a 100 é de 8,9 segundos. Pode parecer pouco diante de esportivos e elétricos apimentados, mas é preciso entender que um elétrico, antes de mais nada, precisa ser eficiente para entregar autonomia e não um carro para disputar quarto de milha.

Conteúdos

O EQA chega com pacote farto de conteúdos com direito a sistema de voz MBUX, assistentes de condução, áudio de alta fidelidade, acabamento sofisticado e tudo mais que se exige da marca. Mas a cereja do bolo é o sistema Energizing.

Trata-se de um conjunto de recursos capazes de avaliar o nível de estresse e cansaço do motorista. Assim, se o condutor estiver de cabeça quente, basta ativar o sistema. Ele ajusta a iluminação e até mesmo a trilha sonora para relaxar o motorista. 

O Energizing ainda conta com monitor biométrico fornecido pela Garmin, assim como massageadores nos bancos. Ou seja, depois da batalha diária no escritório, a Merça te faz um cafuné até chegar em casa. Só faltou a taça de Martini com uma azeitona no palito. 

Preço

Na Alemanha, o EQA tem preço sugerido de 47,5 mil euros (R$ 313 mil). Ele é cerca de 30% mais barato que o irmão maior.

Por aqui, a marca oferece EQC, por R$ 630 mil. O EQA deve desembarcar por aqui até o fim do ano com valores entre R$ 420 mil e R$ 460 mil, seguindo a lógica de preços do irmão mais encorpado.