Mineiros inadimplentes junto a gigantes dos setores de varejo, telecomunicações, seguros e segmento financeiro têm a oportunidade de renegociar os débitos até 1º de dezembro, com até 95% de desconto. Trata-se do Feirão Limpa Nome da Serasa Consumidor – braço da Serasa Experian, que pretende atender mais de um milhão de pessoas em todo o país. 

Realizado exclusivamente pela internet, o feirão permite negociações com empresas como Vivo, Claro, Porto Seguro, Itaú, Santander, Recovery, Ipanema Credit Management, Tricard e CredSystem. 

Para ter acesso às propostas das companhias, basta acessar o site www.serasaconsumidor.com.br, fazer um cadastro e ver a oferta. Lá, o consumidor que estiver em dívida com alguma das empresas que participam do feirão consegue imprimir um boleto, a ser pago no banco ou em casas lotéricas. As ofertas valem para pessoas que estão com uma parcela em atraso e, também, para quem já está com o “nome sujo”.

“Ali mesmo a pessoa já consegue gerar um boleto, imprimir e pagar em seguida. Os descontos são ótimos. Já vi dívida que estava em R$ 20 mil chegar a R$ 1,2 mil”, afirma o gerente da Serasa, Matheus Moura.

Políticas de desconto

Cada empresa tem sua própria política para definir os descontos. De acordo com Moura, no entanto, dívidas maiores costumam apresentar abatimentos mais vantajosos.  O motivo é simples. “Ao longo dos anos, as dívidas sobem muito por causa dos juros. Por isso, é mais fácil para as companhias reduzirem o valor dos débitos mais antigos”, explica.

Minas endividada

No Brasil, segundo a Serasa, existem 61,4 milhões de pessoas endividadas. Minas responde por 9% do montante, o equivalente a 5,5 milhões de inadimplentes. Como o Estado tem 20,9 milhões de pessoas, os endividados representam um a cada quatro habitantes.
Muitos sequer sabem que estão com contas atrasadas. Moura afirma que no site da Serasa Consumidor é possível descobrir, de forma gratuita, se o consumidor tem o “nome sujo”. No endereço eletrônico, a pessoa também consegue ver o próprio score, uma espécie de “reputação financeira”. 
O número leva em consideração a capacidade de honrar compromissos e é utilizado pelas instituições financeiras para conceder crédito. Ou seja, quanto maior o score, melhores as condições do empréstimo.

Ele ressalta, porém, que outros fatores, como a renda, também interferem nas regras. “Às vezes a pessoa não tem renda suficiente para contrair aquele empréstimo ou comprar aquele produto. Nesse caso, o empréstimo não é concedido, mesmo que o score dela seja altíssimo”, destaca. 

O coordenador do curso de Economia do Ibmec, Márcio Salvato, afirma que os feirões são uma boa oportunidade de colocar as contas em dia, especialmente quando a dívida foi adquirida por uma securitizadora. 
“Essas empresas compram carteiras de dívidas de grandes companhias e costumam ter política de negociação muito rígida. Por isso, vale a pena conhecer as condições do feirão”, destaca.
 

“Os descontos são ótimos. Já vi dívida que estava em R$ 20 mil chegar a R$ 1,2 mil”

Matheus Moura
Gerente da Serasa Consumidor

 

 

Além Disso

Até dezembro, moradores de três cidades mineiras ainda terão uma oportunidade de renegociar as dívidas, recuperar o crédito e ter acesso à educação financeira para sair do vermelho, de forma gratuita. Trata-se da campanha “Acertando suas Contas”, da Boa Vista SCPC, que acontece em 60 municípios do país, sendo que em Minas está disponível em Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí e Campos Gerais. 

Boa parte dos consumidores busca a renegociação de dívidas nesta época do ano para poder continuar com crédito no mercado e fazer as compras de Natal. Mas nem todo mundo consegue evitar os gastos exagerados e acaba entrando o ano novo com dívidas novas. 

De acordo com o consultor de finanças pessoais Paulo Vieira, muitos endividados pagam as parcelas combinadas com os credores apenas nos primeiros meses e depois voltam a dar o calote. “Isso acontece porque eles não conseguem reformular seu comportamento de consumo”, diz. Fazer um planejamento financeiro, anotar num aplicativo ou planilha todos os gastos, inclusive o cafezinho ou o sorvete depois do almoço, e não comprar por impulso são algumas dicas para permanecer no azul.