Com a proximidade das eleições municipais, o governador Fernando Pimentel (PT) prepara uma minirreforma administrativa para o mês de maio de 2016.

Pelo menos quatro secretários de primeiro escalão devem deixar os cargos para disputar a campanha eleitoral. As vagas em aberto devem ser preenchidas pelos adjuntos.

Titular da pasta de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas, o deputado estadual Paulo Guedes é a aposta do PT para conquistar pela primeira vez a Prefeitura de Montes Claros, a principal da região.

Guedes concorrerá com o atual prefeito Ruy Muniz (PRB), que tentará um segundo mandato. Na última eleição, Muniz estava do lado do grupo político do senador Aécio Neves (PSDB). Coordenou a campanha presidencial de Aécio e de governador do ex-ministro Pimenta da Veiga, derrotado por Pimentel ainda em primeiro turno.

Para concorrer em Belo Horizonte, o Palácio Tiradentes avalia três candidaturas. O PT tem várias opções, duas delas estão ocupando secretarias. Sem um candidato natural, a disputa em BH caminha para ser pulverizada.

Cotados

Espécie de supersecretário, Helvécio Magalhães, de Planejamento e Gestão, é um dos cotados para deixar a pasta e entrar na sucessão do prefeito Marcio Lacerda (PSB).

Helvécio foi secretário de Atenção Primária do Ministério da Saúde no governo da presidente Dilma Rousseff, onde foi um dos responsáveis por tocar a execução do Mais Médicos. Também foi secretário de Saúde de BH durante a gestão de Pimentel à frente da capital mineira, entre 2003 e 2008.

Outro nome aventado pelo lado petista, que pode deixar o primeiro escalão estadual, é o deputado federal Miguel Corrêa Júnior.

Atual secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Miguel é um dos parlamentares mais próximos do governador.

Na última eleição, quase foi escolhido pelo partido, mas o candidato foi o ministro Patrus Ananias numa composição com o PMDB, que indicou Aloísio Vasconcelos, atualmente na Cemig.

O deputado Mário Henrique Caixa (PCdoB), atual secretário de Turismo, é outro que disputará a prefeitura da capital. Embora tenha apoiado informalmente os tucanos em 2014, Caixa foi nomeado secretário dentro da cota do partido.

Já na administração municipal é praticamente certa a saída do secretário de Obras, Josué Valadão. Escolhido pelo prefeito Marcio Lacerda, Valadão deixou o PP para se filiar ao PSB e concorrer à prefeitura.

No campo político tucano, PP e PSDB vão lançar candidaturas próprias. A bola da vez do PSDB é o deputado estadual João Vítor Xavier. Já os pepistas colocaram à disposição o ex-governador Alberto Pinto Coelho e o ex-presidente da Assembleia Dinis Pinheiro.