Na próxima quarta-feira (27) a montadora Fiat, instalada em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, vai paralisar três de suas quatro linhas de produção, e concederá férias coletivas aos trabalhadores da unidade por um período de 20 dias. A montadora informou, em nota, que “o objetivo é ajustar a produção à demanda de mercado”.

A Fiat não detalha o universo de funcionários afetados pela medida. No entanto, um ofício enviado pela empresa à Superintendência Regional do Trabalho e ao Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, aponta os setores afetados: funilaria, prensas, pintura, montagem, motopropulsor, transmissão, fire, UEVC, acabamento, engenharias, e áreas de apoio. Somadas todas essas áreas e outas não afetadas, a montadora italiana emprega entre 15 e 16 mil pessoas, pelos cálculos do sindicato.

A capacidade de produção da montadora é de cerca de 3 mil veículos por dia. Em 2015 a Fiat já havia adotado medidas de ajuste na produção na fábrica de Betim, entre elas como suspensão de horas extras, ajustes do mix de produtos, paradas técnicas e férias coletivas, além de adotar a não reposição de turnover (rotatividade de funcionários). Desde o início do ano o trabalho aos sábados foi suspenso.

Segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o Brasil vendeu 2,568 milhões de automóveis em 2015, uma quantidade 26,6% menor que a do ano anterior, ou 930 mil unidades a menos. A decisão da Fiat é uma sinalização de que os dados de vendas de janeiro devem ser fracos, sem indicativo reaquecimento do setor.