Eduardo Andrade, filho do vice-governador Antônio Andrade (PMDB), deixou a presidência da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) ontem. O executivo foi substituído por Pedro Magalhães, irmão do deputado estadual João Magalhães (PMDB), que assume a companhia na manhã desta quinta-feira. Pedro é ex-diretor dos Correios e da Light, subsidiária da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

A informação de bastidores é a de que o rompimento público entre o governador Fernando Pimentel (PT) e o vice foi responsável pela queda do presidente. “Pimentel precisa de pessoas que estejam ao lado dele na gestão do Estado. Uma ala do PMDB apoia o governador, outra não. Por isso, é necessário escolher bem os gestores”, disse a fonte.

A animosidade entre governador e vice já gerou mudanças na diretoria da estatal no passado. Em setembro, um aliado de Antônio Andrade, Mateus Gomes, foi destituído da vice-presidência. Na época, João Magalhães foi cotado para assumir o posto, que acabou sendo ocupado por Luis Fernando Parolli, atualmente diretor das áreas de Distribuição e Comercialização.

Em carta enviada aos empregados da Gasmig, o ex-presidente afirmou que para este ano são “esperados os melhores resultados financeiros da história” para a empresa, mesmo em caso de lenta recuperação da economia. “Hoje estou deixando a Gasmig, encerrando assim minha missão. Foram 2 anos e 4 meses de muita dedicação, empenho e luta por esta empresa, onde todos nós conseguimos realizar um trabalho bastante positivo. A Companhia tem um espaço de crescimento gigantesco, com oportunidades para todos que aqui estão trabalhando e dedicando suas vidas”, diz o texto.

Vale ressaltar que o caixa da Cemig está apertado. A companhia pretende comercializar empresas do grupo para quitar débitos. A Gasmig está na lista de subsidiárias das quais a concessionária quer abrir mão.