Policiais ucranianos entraram numa reunião do governo, que era transmitida ao vivo nesta quarta-feira, e detiveram dois funcionários de alto escalão suspeitos de extorsão. A polícia algemou o chefe de serviços emergenciais Serhiy Bochkovsky e seu vice, retirando calmamente os dois da sala onde era realizada a reunião de gabinete.

O ministro do Interior Arsen Avakov disse que Bochkovsky e seu vice, Vasiliy Stoyetsky, são suspeitos de extorquir fornecedores de combustível.

"Isto não é um show, não é teatro", declarou Avakov. "Decidimos que era necessário fazer desta forma, durante a reunião de gabinete, como uma inoculação, uma medida preventiva contra autoridades corruptas, as quais, infelizmente, temos muitas."

Avakov disse que os funcionários do serviço de emergências foram detidos como parte das investigações no setor.

O governo ucraniano prometeu tomar ações firmes para acabar com a corrupção desenfreada. A forma como as prisões ocorreram parece ter como objetivo passar a impressão de que as medidas estão ganhando ritmo.

A economia ucraniana, já prejudicada pela burocracia e pela corrupção, sofre também com a guerra no leste do país com separatistas pró-Rússia.

O governo negociou um programa de crédito de US$ 17,5 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI) ante a promessa de reformas profundas e amplas.

Em declarações feitas após as prisões de Bochkovsky e de Stoyetsky, o primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk disse que pedirá ajuda aos governos ocidentais para rastrear fundos depositados em contas no exterior por funcionários do governo. Fonte: Associated Press.