O Toyota Yaris está no mercado há 20 anos e tem seguido os passos do irmão maior, o Corolla. Tal como o médio, o compacto japonês se tornou um automóvel global. E da mesma forma que o mano, também ganhou diferentes carrocerias. Até ontem, o Yaris era oferecido em seis versões, que se espalhavam pela China, América Latina, Austrália, África do Sul, Brasil, Europa, Canadá e fatias da Ásia. Agora a marca apresenta uma nova opção do Yaris, com base no Mazda 2, exclusiva para os Estados Unidos.

Trata-se de um clone do conterrâneo japonês, em que as diferenças se aplicam apenas na parte frontal. Fabricado na planta mexicana de Salamanca, onde a Mazda opera desde 2014, o que muda são apenas faróis e para-choques. O carro tem desenho arrojado, apesar da grade um tanto boca murcha deixá-lo bem mais feio que o Mazda 2. O motor é uma unidade 1.5 de 107 cv, mais fraca que a oferecida no nosso Yaris. Já o acabamento é bem acima do que a japonesa oferece por aqui. O Tio Sam é exigente!

Kuga
A Ford acaba de revelar a nova geração do Kuga, o utilitário-esportivo (SUV) que se posiciona num degrau superior ao do EcoSport, no mercado Europeu. Nos EUA, jipinho é vendido como Escape. O modelo chega totalmente renovado para seguir como um dos mais vendidos da Ford no Velho Mundo. Lançado em 2008, o modelo emplacou mais de 1 milhão de unidades e só fica atrás de Fiesta e Focus. Ele está cotado para chegar ao Brasil, no ano que vem, para reduzir o abismo entre EcoSport e Edge.

Emplacamentos
A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou o balanço mensal de licenciamentos, que anotou 199.550 unidades emplacadas em março. O volume corresponde a uma alta de 5,11% sobre fevereiro, mas a uma retração de 0,25% sobre março de 2018. No acumulado do ano já foram vendidas 580 mil unidades, 10% a mais que no primeiro trimestre do ano passado. Entre os líderes, o Onix segue imbatível com 55 mil carros vendidos, 31 mil a mais que o vice HB20.

Cheirinho de Gol
Depois de apresentar a versão topo de linha do T-Cross, a Volkswagen iniciou as apresentações da versão de entrada 200 TSI, com caixa manual de seis marchas e motor 1.0 turbo de 128 cv. Oferecida por R$ 85 mil, a versão pé-de-boi do jipinho alemão segue o DNA dos volks nacionais, com acabamento bem pobre. Se no Highline 250 TSI a falta de refinamento chama atenção, no básico a simplicidade remete ao padrão do Gol, bem aquém dos rivais que orbitam na mesma faixa de preços.