Depois de 25 anos após a morte do brasileiro, Ayrton Senna segue sendo o maior piloto de corridas de todos os tempos. Não é nenhuma planilha que diz isso. Sou eu. E caso o amigo discorde, fique à vontade. Só não me peça para mudar de opinião.

Aquele 1º de maio de 1994 foi um dia terrível. Ligar a TV e assistir ao choque na Tamburello foi como receber a notícia de que um ente querido tinha morrido. Com 40 anos de vida, já perdi muita gente querida. Todos perdemos, mas posso afirmar que a sensação de perder um avô, tio ou primo foi parecida com a daquele domingo. Até hoje é uma sensação de garganta seca e olhos embotados. 

Lotus 97T

PRIMEIRA VITÓRIA - Foi à bordo da Lotus 97T, que Senna conquistou sua primeira vitória na F1, no GP de Estoril em 1985

Mas a vida me presenteou com dois momentos que me permitiram estar com o tricampeão. A primeira foi no Salão do Automóvel de 2014, quando a Lotus 97T estava no estande da Renault. Mesmo com um cercadinho, deu para pegar no aerofólio e tomar a bênção. Para mim, um dos carros mais bonitos que já correram na Fórmula 1. E olha que isso foi em 1985. Foi nela que Senna conquistou a primeira vitória no Grande Prêmio de Estoril, em Portugal.

A segunda foi no ano passado, a McLaren montou estande para apresentar o Senna, supercarro de R$ 9 milhões. Nele pude entrar e ver toda riqueza de detalhes daquela escultura de fibra de carbono. 

Mas o melhor ficou para depois. Junto da Senna estava o McLaren MP4/6, carro em que o piloto correu em 1991. Foi a bordo dele que Beco sagrou-se tricampeão. E também foi à bordo dele que Senna conquistou seu primeiro GP do Brasil, numa dramática corrida em que o carro terminou a prova apenas com a sexta marcha. 

Sem cercadinho, dessa vez pude estender a mão e cumprimentar o tricampeão, mesmo que tenha sido por “intermédio” do volante.