O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse nesta sexta-feira (11), no Rio de Janeiro, que, caso o óleo que atinge praias do Nordeste tenha partido de um navio, houve crime ambiental porque nenhuma embarcação informou a ocorrência de um possível vazamento perto da costa brasileira.

Ele participou da despedida dos atletas que vão representar o Brasil nos Jogos Mundiais Militares, em Wuhan, na China, entre os dias 14 e 28 deste mês.

"Uma das possibilidades é que um navio, passando no Atlântico Norte, teve algum incidente ou acidente, e as correntes chegam ao litoral do Nordeste. E ali, em Sergipe e Pernambuco, uma parte das correntes vai para o Norte e outra vai para o Sul. É exatamente o que está ocorrendo. Então, estamos investigando esses navios e essas bandeiras", disse.

"Se aconteceu isso, e há grande possibilidade, se torna um crime ambiental, porque esses navios não informaram um possível vazamento", afirmou.

Hipótese

O ministro reforçou que o governo brasileiro está investigando navios que trafegaram pelo Atlântico e podem ser a origem do óleo encontrado em praias do Nordeste desde setembro. Ele acredita ser pequena a possibilidade de o vazamento ter como origem um navio já naufragado, como chegou a ser cogitado por pesquisadores.

Uma conclusão que as investigações já apontam, segundo disse, é que o petróleo não é brasileiro. "Ele tem um DNA do tipo do petróleo que tem a Venezuela. O que não significa que eles sejam culpados em relação a isso", argumentou.

A chegada do óleo ao litoral do Brasil começou a ser detectada no início de setembro, mas em quantidades mais esparsas. "No início de outubro, se intensificaram muito esses óleos", acrescentou o ministro da Defesa.

Leia mais:
Marinha vai notificar 30 navios de dez países após triagem sobre manchas de óleo
Óleo achado em praias tem origem na Venezuela, diz laudo da Universidade da Bahia
Ministro da Defesa diz que origem de óleo vazado está sendo apurada