O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), ainda não tem uma data para o pagamento do 13° salário do funcionalismo público. Em sua primeira declaração após a aprovação em segundo turno na Assembleia Legislativa, na tarde desta quarta-feira (4), do projeto de lei que garantirá o adiantamento do repasse da exploração de nióbio, para acabar com o parcelamento de salários dos servidores do Estado, até o fim do primeiro semestre de 2020, Zema parabenizou os deputados, mas disse que o prazo foge ao controle do governo.

"Desde o momento em que foi aprovada, tenho cobrado da minha equipe o máximo empenho e agilidade com relação à formalização dessa operação”, falou Zema.

“Mas essa operação depende agora de trâmites burocráticos junto às instituições financeiras, junto à Bolsa de Valores. Vai ter total transparência, mas nós estamos empenhados para fazer com que ocorra ainda neste ano e o funcionário público venha a receber ainda em 2019, mas eu não posso dar 100% de garantia, porque pode haver algum imprevisto no caminho. Mas tudo o que é possível está sendo feito para que isso venha a ocorrer ainda no ano de 2019”, reforçou Romeu Zema, durante evento na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) para lançamento do Programa “Minas Livre para Crescer”, com o intuito de facilitar as possibilidades de empreender no Estado.