O crescimento do número de usuárias no grupo fechado do Facebook "Mulheres Unidas contra Bolsonaro" tem causado polêmica nas redes sociais. Defensoras do presidenciável têm afirmado que se trataria de um perfil comprado e renomeado a partir de outro já populoso. O produtor de conteúdo e criadoras do grupo negam.

A polêmica teve início após o avanço de participantes no grupo. Desde que foi criado, no dia 30 de agosto, o grupo registra mais de 1,5 milhão de mulheres em rede. Na internet e nos comentários de portais, incluindo o Hoje em Dia, usuários questionaram a origem do perfil. 

Alguns usuários afirmaram que o perfil "Mulheres Unidas contra Bolsonaro" surgiu a partir da renomeação de um grupo do humorístico "Gina Indelicada", atualmente com mais de 800 mil seguidoras (o site é exclusivamente feminino). 

De acordo com Henrique Lopes, criador do personagem Gina Indelicada, a venda do grupo é falsa. Segundo ele, todas os grupos da Gina, incluindo os antigos, permanecem inalterados e podem ser acessados pelos usuários. Lopes ainda afirmou que tem recebido ofensas e ameaças a partir do boato e que, apesar de não ser favorável ao candidato, não utiliza o trabalho para assumir posicionamento político. 

facebook

No destaque em amarelo, o número de usuárias participantes no grupo nesta quinta-feira (13)

Postura 'amadora' 

O grupo "Mulheres Unidas contra Bolsonaro" é composto apenas por mulheres, incluindo mulheres trans. A administração também é feita por pessoas do sexo feminino. Uma das moderadoras do grupo, Liz de Bortoli, de São Paulo, afirmou que o aumento no número de participantes tomou uma proporção 'inimaginável'. 

"Estamos com mais de 1,5 milhão dentro e uma fila de aceitação que não estamos dando conta", disse. Segundo ela, a suposta alteração de nome é um argumento 'um pouco amador'. "Todas as vezes que um grupo troca de nome, todos os participantes são avisados pelo Facebook", afirmou. 

Data alterada

Henrique Lopes, do Gina Indelicada, ainda destacou que um grupo não pode ter sua data de criação alterada. "Na própria página do grupo é possível ver que ele foi criado há duas semanas", afirmou.

facebook

Na captura de tela, informação traz a data e horário da criação do grupo. Detalhe: as informações do número de usuárias muda entre quem está dentro e fora do grupo

O Facebook confirmou a informação por meio de sua assessoria de imprensa. Segundo a empresa, mesmo que um conteúdo seja renomeado, a data de criação não se modifica. Ainda em caso de renomeação, o Facebook informou que todos os participantes do grupo são alertados sobre a alteração.

Leia mais:
Grupo do Facebook 'Mulheres contra Bolsonaro' atinge marca de 1,4 milhão de membros