Na indústria de games é comum que algumas produções se arrastem por anos. Também é comum que muitos títulos estourem o cronograma inicial de lançamento em alguns meses. É até compreensível, uma vez que os games modernos exigem a participação de atores, captação de falas e movimentos. São produções que demandam gráficos realistas e, dependendo do tema, pesquisas históricas precisas. Mas em 2020 os atrasos estão se alastrando. E olha que ainda estamos em janeiro.

Oficialmente as motivações se resumem à necessidade de corrigir erros e realizar novos testes para que o lançamento ocorra de forma perfeita. No entanto, muita gente acredita que as produtoras estejam atrasando os lançamentos para conciliar com a chegada da nova geração, que estreia no fim do ano.

Sem explicação

A única razão plausível para “empurrar” o lançamento seria ter menos custos com servidores, já que um game para PS4, em tese, necessitaria de um servidor diferente do que seria utilizado no PS5. Mas, mesmo assim, ainda é um argumento pouco crível. Afinal, o melhor seria vender o game duas vezes. Correto?

Em 2013, quando estrearam Xbox One e PS4, muitos games publicados antes do lançamento receberam edições similares para a geração que surgia. “The Last of Us” é um exemplo. Meses após a publicação no PS3, a Naughty Dog lançou a versão “Remaster” para PS4, que trazia consideráveis melhorias gráficas. 

Teorias

Outra teoria é que poderia haver uma “combinação” entre estúdio e fabricantes como Microsoft e Sony para que os games estreassem junto com os novos aparelhos e com isso ter um acervo que estimulasse as vendas dos consoles, que devem estrear entre outubro e novembro. Mas ninguém da indústria valida a tese.

Tropeços 

Mas quais foram os games que ficarão para depois? O primeiro anúncio foi dado pela Naughty Dog. Ela atrasará o lançamento de “The Last of Us – Part II” de fevereiro para 29 de maio. Na semana passada a Square Enix adiou, mais uma vez, o lançamento de “Final Fantasy VII Remake”. A razão, segundo a produtora, se deu pela necessidade de melhorar o acabamento do game. O título que chegaria na primeira quinzena de março foi adiado para o início de abril. 

Logo em seguida a CD Projekt Red veio a público informar que “Cyberpunk 2077” não será mais lançado em abril e sim em 17 de setembro. E, na segunda-feira, a Techland anunciou que “Dying Light 2” também será adiado pois necessita de correções e melhorias antes da publicação. No entanto, não há uma data definida para a estreia. 

Outro game que também chegaria em fevereiro e foi remanejado para o segundo semestre foi “Marvel’s Avengers”, que será lançado em setembro.

Nas redes, além de uma possível “conspiração”, os anúncios reacenderam a discussão sobre as vantagens e desvantagens de adquirir games em período de pré-venda. Segundo eles, a única vantagem seria o acesso antecipado, um benefício que se perde com o atraso da publicação.

Desconto

Não foi de propósito, mas diante dos anúncios de adiamentos, a Sony abriu pré-venda para “Nioh 2”, que estreia em 13 de março. Até 12 de março, o game poderá ser reservado na PSN com 20% de desconto na versão básica. 

Ou seja, de R$ 250, o título sairá por R$ 200. “Nioh 2” é a continuação do RPG passado no Japão Medieval. Produzido pela Team Ninja, o game ficou famoso pelo nível elevado de dificuldade. “Nioh 2” promete não fugir à regra.