SÃO PAULO (SP) – Demorou uma eternidade, mas finalmente o Toyota Corolla passou a ter controle de estabilidade (ESP) como item de série. O líder de vendas entre os sedãs médios até hoje era criticado (e com razão) pelo fato de a fabricante japonesa negligenciar a importância do equipamento de segurança. A boa notícia é que o equipamento se tornou item de série em toda a linha. A má notícia é que o sedã encareceu consideravelmente e custa de R$ 90.990 a R$ 114.990.

O Corolla manteve as versões GLi (equipado com motor 1.8 de 144 cv), XEi (R$ 99.990) e Altis (R$ 114.990), estas com motor 2.0 de 154 cv. Em todas elas a transmissão é automática do tipo CVT, com exceção da opção GLi para frotistas –com caixa manual se seis marchas. No entanto, a Toyota decidiu ressuscitar a versão XRS, de apelo esportivo, com direito a rodas exclusivas aro 17, saias e aerofólio. Nesse caso o valor anotado na etiqueta é R$ 108.990.


Mudanças
O facelift deixou o sedã com o mesmo visual da versão vendida na Europa, mais jovial, apesar de o restante do carro ser exatamente igual à geração lançada em 2013. No entanto, o ganho de conteúdo fez bem ao Corolla, que apesar de ser líder no segmento de sedãs médios e também o carro mais vendido do mundo em 2016, nunca foi um exemplo de fartura de equipamentos.

 

Assim, o sedã passa a contar com itens como bancos revestidos em couro, seis airbags, assistente de partida em rampa, além de opcionais como partida sem chave, luz diurna em LED, multimídia de sete polegadas, câmera de ré, computador de bordo com tela TFT, ar-condicionado digital de duas zonas, sensor de chuva, dentre outros itens. O tiozão ficou moderno!