No vasto glossário do automóvel, o termo hot hatch é tão cativante quando muscle car ou Gran Turismo. Ou seja, é uma expressão que literalmente separa o joio do trigo quando o assunto é carros compactos. E uma forma de exemplificar um hot hatch é o novíssimo BMW M 140i, versão de alto desempenho do Série 1 que chega ao Brasil para aposentar o M 135i ao preço nada modesto de R$ 267.950. 

Na prática, o modelo ganhou mais 20 cv e 5 mkgf de torque, saltando para 340 cv e 51 mkgf, na ordem. Falando assim, os números soltos podem não dizer muita coisa, mas quando se trata de um carro do porte de um VW Golf com a potência semelhante a de um Porsche Boxter, aí sim é possível entender o significado da expressão inglesa. 

O ganho de vigor ao compacto alemão era uma necessidade em vista da evolução dos concorrentes diretos, o Audi S3 e o Mercedes-Benz A45 AMG, com suas potências estúpidas de 310 cv e 381 cv, extraídas de pequenos blocos 2.0. 

No caso do M 140i, a unidade debaixo do capô é o conhecido seis cilindros em linha biturbo 3.0, presente em praticamente todos os modelos da marca, com raras exceções como o pacato Série 2 Active Tourer e o utilitário-esportivo X1, que utilizam motor 2.0 transversal no lugar da montagem longitudinal.

Um dos trunfos do esportivo é que todo o torque está disponível a partir do 1.500 rpm. Ou seja, praticamente em ponto morto, o que permite ao hatch acelerar de 0 a 100 km/h em 4,6 segundos e atingir a velocidade máxima, limitada eletronicamente, de 250 km/h.

Em termos de estilo, a atual geração do Série 1 está bem aquém de seus rivais, mas o modelo pretende seduzir o consumidor pela sua dirigibilidade mais arrojada, pois é o único com tração traseira. A versão ainda conta com conjunto de suspensão e freios esportivos, que fazem dele uma opção certeira para quem pode ser dar ao luxo de gastar uma pequena fortuna para se divertir nos chamados track days em pista fechada.