O Honda Fit é a prova de que os monovolumes não morreram. O compacto japonês acaba de chegar à sua quarta geração e deverá estrear por aqui até 2021, quando completa 20 anos de mercado. 

Revelado no Salão de Tóquio, o carrinho tem desenho que o aproxima de uma peruinha, ou hatch espichado, sem cadência acentuada do capô. Seu desenho tem linhas mais suaves, sem os vincos laterais da geração passada. 

Segundo a Honda, a nova arquitetura (projetada para uso de motores híbridos e totalmente eletrificada) permitiu a introdução de colunas mais finas e leves. No entanto, ela deixa claro que a coluna A oferece grande resistência a choque, que garante a proteção do habitáculo em caso de colisão, sem elevar demais o peso e nem o centro de gravidade do carro.

Para o mercado Europeu, onde é vendido com Jazz, o Fit será oferecido apenas com motorização híbrida da família:HEV. A fabricante não dá detalhes de como serão esses motores, potência e torque, que deverão ser divulgadas próximo do lançamento comercial.

Por aqui, é muito provável que a Honda mantenha a atual linha de motores, mas também oferte uma versão híbrida. No entanto, a filial brasileira não divulga nenhuma informação sobre a versão nacional, com sua resposta padrão: “A Honda não comenta estratégias futuras”. Para bom entendedor, um pingo é letra.

Equipamentos
Por dentro, o Fit ganhou um verdadeiro banho de loja. Ele passa a contar com quadro de instrumentos digital, módulo multimídia com Apple CarPlay e Android Auto, assim com ponto de internet Wi-Fi, ar-condicionado digital, freio de estacionamento eletrônico (com função Auto Hold, presentes no HR-V e no Civic), partida sem chave, acabamento em couro e outros recursos que o deixaram mais sofisticado.