Há um ano a vida do Renault Duster se tornou mais árdua. Com a chegada avassaladora de Honda HR-V e Jeep Renegade, o jipinho francês precisou passar por uma microcirurgia para tentar conter o avanço dos novos concorrentes e terminou 2015 em terceiro lugar no ranking do segmento, com 34.325 emplacamentos, segundo o boletim da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Em 2016, a situação piorou. Com um terço do volume do líder, o Duster caiu para a quarta posição e acumula 7.161 unidades contra quase 21 mil do líder HR-V.

Apesar de ter perdido participação e volume, o Duster não perdeu seus predicados, o utilitário-esportivo (SUV) ainda é uma das opções mais acessíveis para quem quer se aventurar no segmento, partindo de R$ 66.480, na versão de entrada Expression 1.6 (que praticamente inexiste nas revendas).
Testamos a versão Dynamique 1.6, (R$ 72.580) uma das principais versões no mix do jipinho. E depois de cinco anos, o casamento do motor 1.6 de 115 cv e o amplo espaço interno ainda se traduz numa boa opção como o carro da família. A unidade oferece boa oferta de torque e potência para quem precisa de automóvel urbano e o espaço para ocupantes e bagagem é indubitavelmente o melhor do segmento.

Vale mencionar que o tapinha visual de 2015 também trouxe sutis melhorias no acabamento. O que não significa que ele atingiu um status de excelência, mas é superior aos irmãos Logan e Sandero. Pelo menos a tapeçaria não se descola com tanta facilidade como nos demais. Mas não espere materiais nobres, pois os plásticos são pobres, com rebarbas e o revestimento em couro dos bancos é vendido como acessório.

Renault Duster Dynamique 1.6

O que é?
Utilitário-esportivo (SUV) compacto

Onde é feito?
Produzido na unidade de São José dos Pinhas (PR)

Quanto custa?
De R$ 66.480 a R$ 87.250
Versão avaliada: R$ 72.580 

Com quem concorre?
O Duster concorre diretamente no segmento de SUVs compactos e disputa mercado com Honda HR-V (R$ 78.700 a R$ 99.200), Jeep Renegade (R$ 76.290 a R$ 127.900), e Ford EcoSport (R$ 68.490 a 90.390)

No dia a dia?
Os 1.200 quilos da carroceria encorpada do Duster não são problema para o motor 1.6 16v de 115cv e 15,9 mkgf de torque. Porém, em baixas rotações ele pede um pouco mais de pressão no acelerador, principalmente nas arrancadas, já que o motor demora a encher. No entanto, o jipinho se comporta bem no trânsito urbano e o recurso da câmera de ré integrada ao módulo Media NAV corrige visibilidade traseira comprometida pelas largas colunas e altura elevada da suspensão.

Como bebe?
9,5 km/l no trajeto urbano e 12,5 km/l em percurso rodoviário, abastecido com gasolina.

Suspensão, direção e freios:
A suspensão com curso longo ajuda a suportar a buraqueira das vias brasileiras. No entanto, é muito dura na traseira. Já a direção com assistência hidráulica é leve, mas tem angulo de giro muito aberto, que na prática significa mais trabalho nas manobras. Já os freios fazem o devem fazer. (Ainda bem!)

PONTOS POSITIVOS
PREÇO COMPETITIVO
CONSUMO BAIXO
ESPAÇO INTERNO

PONTOS NEGATIVOS
ACABAMENTO POBRE
FALTA DE TORQUE EM BAIXAS ROTAÇÕES

Veredicto:
O Duster é uma opção racional para quem busca espaço. O SUV não tem o charme de seus concorrentes, mas tem preço competitivo e baixo consumo.