Na feira de tecnologia deLas Vegas (CES), executivos da FCA já tinham deixado escapar que a Fiat importaria a versão elétrica do pequenino 500 para o Brasil. No entanto, o que se tinha até então era uma versão elétrica pouco atraente devido à baixa autonomia de suas baterias, além de uma versão híbrida leve, relegada ao mercado europeu. Afinal, qual dos dois virá para cá? Nem um, nem outro.

O 500 elétrico que chegará ao Brasil é totalmente novo, inclusive estreia a nova geração do carrinho, que manteve suas linhas básicas. Mas a marca garante que ele cresceu em comprimento (mais 6 cm), largura (mais 6 cm) e entre-eixos (mais 2 cm). Ou seja, cresceu muito em função da necessidade de acoplar o berço de baterias no assoalho.

Visualmente, o 500e parece que passou apenas por uma leve plástica. Só que o carro mudou profundamente. O modelo vive dilema de outros carros que têm design marcante, como Fusca e 911, que exigem ajustes muito sutis para não macular suas linhas marcantes. Por dentro, a principal novidade do novo 500, assim como sua variante elétrica, é extinção do console da transmissão. O carrinho passa a contar teclas montadas no próprio painel: P, R, N e D. 

As teclas estão posicionadas abaixo do pequeno porta-objetos. Acima, ficam comandos de refrigeração e o novo módulo multimídia Uconnect 5, que conta com internet Wi-Fi. O Quadro de instrumentos minimalista manteve as formas originais, mas passa a ser totalmente digital. 

O carrinho também recebeu assistentes de condução como ACC, monitor de faixa, leitor de placas (que ajusta a velocidade ao limite da via), freio automático de emergência, dentre outros.

Motor
O 500e recebeu unidade de 87 kW, que corresponde a 118 cv. Ele permite que o carrinho acelere de 0 a 100 km/h em 9 segundos e atinja a velocidade máxima de 150 km/h. 

Podem parecer números modestos, mas quando se trata de elétricos, performances muito atléticas comprometem a autonomia das baterias. E, nesse caso, a Fiat garante que as pilhas de 42 kWh permitem rodar até 320 quilômetros.

Para recarregar as baterias, a fabricante afirma que em eletropostos é possível regenerar até 80% da carga em 35 minutos. Já no carregador doméstico (Wallbox) são necessárias 6 horas para obter-se carga completa.

Brasil
A chegada do modelo ao Brasil já foi confirmada pela alta cúpula da FCA e deverá acontecer até o final do ano. Mas não seria surpresa que o lançamento se arrastasse para 2021, devido à constante elevação do dólar, que já barrou o desembarque do jipinho 500X, mais de uma vez .