Se o mercado de automóveis anda despencando pelas tabelas, pelo menos para a Porsche o clima é de otimismo. Afinal, a marca alemã acaba de atualizar toda a linha 911, desde a versão “básica” Carrera ao topo de linha Turbo S Cabriolet. E a satisfação da marca pode se justificada em números. 

No ano passado, a Porsche emplacou 742 unidades no pais. Volume que pode parecer pouco para qualquer outra marca, mas são expressivos no segmento de alto luxo, onde o modelo mais barato parte dos R$ 320 mil, no caso o Macan. De acordo com o presidente da filial brasileira, Matthias Brück, só nos três primeiros meses do ano, o desempenho da marca foi 19% maior que no primeiro trimestre do ano passado. 

E se a maré está para peixe, nada mais racional que atualizar a linha numa única vez. Além de sutis alterações estéticas, que basicamente se resumem a detalhes nos para-choques, lanternas, rodas e tampa do capô traseiro, a partir de agora todas as versões utilizam motores turbo.

Partindo de R$ 509 mil, na versão Carrera, passa a contar com o novíssimo motor biturbo boxer, com seis cilindros opostos, 3.0 de 370 cv. São 20 cv a mais que a antiga unidade 3.8 aspirada. Já no Carrera S, a potência do mesmo motor salta para 420 cv e o preço sobe para R$ 651 mil. E junto com o Carrera e Carrera S, a marca também lançou as versões Cabriolet e Targa, além da opção com tração integral Carrera 4 e Carrera 4S.

Mas a cereja do bolo é o 911 Turbo, com preço tabelado em R$ 997 mil, que manteve o bloco 3.8, mas com 540 cv despejados nas quatro rodas. E se mesmo assim a cavalaria parecer pouca, há ainda o Turbo S, que custa R$ 1,2 milhão e adiciona mais 40 cv. No entanto, o modelo mais caro da linha é o Turbo S Cabriolet que tem preço tabelado em exatos R$ 1.277.000 e nem um real a menos.