Faltam cinco meses para o lançamento de “The Last of Us – Part II”. A data de publicação – 21 de fevereiro de 2020 – acaba de ser anunciada pela Naughty Dog, durante o evento State of Play, que aconteceu na última terça-feira, em Los Angeles. A sequência das desventuras de Joel e Ellie é uma das produções mais aguardadas do mercado.

E a razão é simples: “The Last of Us” segue como um dos melhores games já produzidos para a linha PlayStation. Não se trata de uma observação pessoal, mas estatística. Com nota 95, no indexador de artigos Metacritic, a produção aguarda uma sequência há cinco anos. E desde que o game ganhou uma reedição para PS4, em 2014, vem sendo anunciado o próximo título da franquia. 

Desde então foram parcos trailers mostrando uma Ellie (coprotagonista) já crescida e extremamente violenta, sem a companhia de Joel (protagonista), o que gerou especulações sobre que fim levou o protetor da garota. Em um trailer de apenas três minutos, foi possível entender os novos dramas de Ellie. Mas para uma compreensão melhor é preciso juntar fragmentos dos últimos vídeos publicados. No entanto, é preciso mencionar que Joel está mais vivo do que nunca.

Reconstrução 

Em 2017, a Naughty Dog divulgou o primeiro trailer do novo game. Nele aparecia Ellie, sozinha, tocando violão ao lado de um cadáver. Um ano depois, na edição 2018 da E3, a produtora apresentou um trailer de aproximadamente 11 minutos, que mostrava detalhes de jogabilidade e enredo. Nesse vídeo, foi mostrado que a heroína tinha uma namorada, Dina.

O conteúdo gerou polêmica devido à abordagem sobre a opção sexual da personagem. Mas não era novidade, uma vez que o episódio “Left Behind” esmiuça a relação afetiva entre Ellie e a personagem Riley.
Agora, neste último trailer, o game retoma a cena da garota tocando violão. A cena precede a morte de um dos assassinos de Dina, fio que tecerá a trama. 

Se, no primeiro game, a história era a possibilidade de a menina ter anticorpos capazes de combater a doença que dizimou a humanidade, agora Ellie pouco se importa com mutantes e zumbis. Ela quer vingança.

Pode parecer mais um enredo clichê de produções pós-apocalípticas, em que os sobreviventes são mais perversos que as criaturas, como “The Walking Dead” ou “Days Gone”. Mas fato é que a Naughty Dog sabe construir, como poucas, histórias que desnudam a condição humana.

No vídeo também foram revelados detalhes de gameplay, que mantém o formato do game original. E, claro, muitos seres gosmentos para liquidar.

Lançado em julho de 2013, primeiro episódio é fenômeno de vendas

“The Last of Us” chegou ao PS3 em julho de 2013 e no ano seguinte estreou no PS4. A edição atualizada segue como o terceiro game mais bem votado no Metacritic, para PS4, com 95 pontos. Ele só fica atrás de “Red Dead Redemption 2” e “Grand Theft Auto V”, ambos com 97 pontos. Com 17 milhões de cópias vendidas, ele foi um dos games mais vendidos para PS3, sendo que na semana de seu lançamento foram 1,3 milhão de unidades.

Trata-se de um número expressivo para uma produção exclusiva. Ele também venceu 138 dos 208 prêmios que foi inscrito, entre eles cinco premiações do Bafta 2013, entre os melhor game do ano.

Franquia mistura combate, exploração, sobrevivência e gameplay cooperativo

O sucesso de “The Last of Us” se dá pela combinação de elementos como que unem combate, sobrevivência, exploração, além de ser um game cooperativo, o que amplia as possibilidades de desafios. A história se passa a após uma epidemia causada por um fungo. Ele se aloja no cérebro e faz com que os infectados percam capacidade de raciocínio e se tornem extremamente agressivos. A doença evolui para mutação. No game Joel é uma testemunha do que aconteceu. Já Ellie é uma menina nascida após a queda da civilização. Acredita-se que ela teria anticorpos que poderiam levar a cura epidemia. 

Assim, a missão de Joel é atravessar os Estados Unidos para entrega-la a um laboratório. O game discorre em fragmentos da viagem, em que é preciso controlar os dois personagens, cada um com sua habilidade. Tudo isso regado a um enredo envolvente, que explora as dores de cada um dos personagens. Se você não jogou, então fica esperto, pois faltam só cinco meses para “The Last of Us - Part 2” fazer sua estreia!