GUARUJÁ (SP) – A Toyota lança a 12ª geração do Corolla, que estreia como primeiro automóvel híbrido flex do mundo. O sedã chega com três versões e preços de R$ 100 mil a R$ 125 mil, mas podendo subir para R$ 131 mil quando equipado com o pacote da versão Altis 2.0. O modelo combina motor 1.8 com dois módulos elétricos e uma nova transmissão do tipo CVT planetária, que dispensa uso de polias e correias. A unidade flex entrega 101 cv e 14,5 mkgf de torque, enquanto os elétricos entregam 72 cv e 16,6 mkgf. 

Tudo isso se traduz em consumo de 16,3 km/l, segundo o Inmetro. O fabricante explica que a análise não contabiliza a recarga de baterias. Para atestar a maior eficiência, a Toyota auditou o sedã junto ao Instituto Mauá, que elevou a média para 20,8 km/ll.

2.0

Junto com o híbrido, o Corolla recebeu novo motor 2.0, que passa a contar com dupla variação de abertura de válvulas eletro-hidráulica e dupla injeção (direta e indireta), que elevaram a potência para 177 cv, deixando o sedã mais esperto. Já o torque segue em 21,4 mkgf. Outra novidade é a caixa CVT com 10 marchas (uma fixa e nove emuladas).

Mais moderno e eficiente, o Corolla já vendeu mais de 1 milhão de unidades, desde que passou a ser feito no Brasil, em 1998. Com 45% de participação no segmento de médios, marca espera vender 4.500 unidades/mês, sendo mil com motor híbrido

Conteúdos 

Corolla tem também pacote farto de equipamentos que inclui itens como ar-condicionado digital de duas zonas, multimídia (com Apple CarPlay e Android Auto, câmera de ré), teto solar, sensor crepuscular, quadro de instrumentos digital com tela de sete polegadas (exclusividade da versão híbrida), assistentes de condução, Toyota Safety Sense, como alerta de colisão, com frenagem emergencial e monitor de faixa. Pode receber bancos em couro, partida sem chave, rodas de liga leve aro 17. 

Garantia

O Corolla tem garantia de 5 anos, sendo que a versão híbrida acresce outros oito anos de assistência para o sistema elétrico. O plano estendido visa dar tranquilidade ao consumidor que teme os custos elevados de manutenção de baterias e motores elétricos.
(*) Viajou a convite da montadora