A mudança da legislação para vendas de automóveis para Portadores de Deficiência (PcD) se tornou um filão atrativo para a indústria automotiva. A regra que permite a venda de automóveis nacionais de até R$ 70 mil já corresponde a cerca de 10% dos emplacamentos. E diante deste cenário, a Volvo encontrou uma oportunidade para reforçar a imagem de sua marca com o programa Volvo For All.

A sueca conseguiu encontrar brechas na legislação que permitem que modelos importados também sejam vendidos com isenção de IPI. “Algumas pessoas já questionaram qual seria a necessidade de um consumidor portador de necessidades especiais precisar de um automóvel de R$ 400 mil. A resposta é que queremos fazer valer o direito para todos e possibilidade de adquirir qualquer automóvel com a isenção que lhe é garantida”, explica o diretor comercial da Volvo Cars, João Oliveira, que veio a Belo Horizonte para apresentar o programa.

Segundo o executivo, o acordo foi feito com o Governo Federal, que isenta o IPI, mas o ICMS, que é um tributo estadual, foi mantido. “Este programa não foi projetado para vender mais carros. Nossa expectativa é que apenas 3% ou 4% das vendas sejam para esse perfil de consumidor. O que buscamos é poder reforçar nossa filosofia de marca, tanto que quando lançamos o cinto de segurança há mais de 50 anos não registramos patente, pois queríamos que todos os automóveis pudessem oferecer o equipamento de segurança. Queremos que as demais marcas de importados também consigam fazer o mesmo”, complementa. 

Modelos oferecidos no programa PcD, como V40, XC60 e S60 podem receber adaptações para condução de cadeirantes. Os valores dos automóveis da marca com o desconto do IPI partem de R$ 113 mil e vão a até R$ 472 mil.