O homem que se matou no interior da catedral de Notre Dame nesta terça-feira (21) era um conhecido ativista de extrema-direita que havia escrito num blog uma denúncia contra a "lei infame" que legaliza o casamento gay na França. O post foi feito pouco antes do suicídio. A polícia confirmou que o homem que se suicidou era Dominique Venner, de 78 anos, ensaísta e ativista ligado à extrema-direita francesa.

Multidões de visitantes foram retirados da catedral, localizada na capital francesa depois de ele ter colocado uma carta no altar da igreja, tirado uma arma e atirado contra a própria cabeça, informou o pároco da catedral.

Trata-se do primeiro suicídio em décadas realizado no famoso monumento de 850 anos, declarou o monsenhor Patrick Jacquin à The Associated Press. "É lamentável, é dramático, é chocante", disse Jacquin. Apesar do ativismo político de Venner, o motivo do suicídio e o conteúdo da carta não foram divulgados.

Um policial disse que as autoridades fecharam a catedral ao público e uma investigação foi iniciada. É muito incomum que a catedral, visitada por cerca de 13 milhões de pessoas de todo o mundo a cada ano, fique fechada para o público.

A morte desta terça-feira acontece menos de uma semana após outro suicídio incomum no centro de Paris, quando um homem atirou contra si mesmo na frente de uma dezena de estudantes numa escola católica privada da capital francesa.

Jacquin disse que algumas pessoas cometeram suicídio ao pular das torres da catedral, mas ele desconhece outro caso de suicídio no altar da Notre Dame. A torre Eiffel, outro famoso ponto turístico de Paris, é fechada ocasionalmente por causa de tentativas de suicídio. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Localização do suicídio cometido em protesto contra o casamento homossexual na Notre Dame de Paris