Depois de sinalizar acabar com o Circuito Cultural Praça da Liberdade e recuar, anunciando a retomada das obras, o governo do Estado, por meio do Iepha, agora convoca a sociedade civil para discutir as perspectivas de articulação, ampliação e fortalecimento do complexo artístico.


Os debates serão promovidos durante o “Seminário Estadual do Patrimônio Cultural: Circuitos Culturais e as Cidades”, realizado na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, nos dias 24 e 25 de agosto.


O encontro, que será o primeiro passo para a instauração de um fórum permanente de discussão sobre o complexo, terá como tema “O circuito que queremos”. O seminário será aberto a gestores culturais, representantes dos órgãos de patrimônio, professores, comunicadores, movimentos sociais e coletivos que vêm atuando nas áreas da cultura, patrimônio, espaços públicos e urbanidade.


“Será uma oportunidade de ampliar as discussões sobre as possibilidades de apropriação do Circuito no seu potencial cultural e como patrimônio do Estado”, afirma Michele Arroyo, presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), atual gestor do projeto.


As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas na hora do evento, até a lotação. Os debates serão focados nas temáticas educação; urbanidade e turismo; diversidade e inclusão; e comunicação e cultura. “Nas mesas redondas, serão discutidos temas relacionados com o dia a dia dos circuitos culturais e suas possibilidades de leitura, apropriação e gestão”, explica Michele.


Programação


O evento será realizado das 9h às 19h. No dia 24, participam Carlos Nagib, gerente geral do Centro Cultural Banco do Brasil; Regina Vieira, coordenadora do Núcleo de Economia Criativa/ Horizonte SEBRAE e da Casa da Economia Criativa; Ana Flávia Machado, diretora técnica-científico do Espaço do Conhecimento UFMG; Lucas Guimaraens, superintendente de Bibliotecas Públicas e Suplemento Literário e Wagner Tameirão, gestor do Memorial Minas Gerais Vale, entre outros.


No dia seguinte, Paulo José de Souza, chefe da Representação Regional Minas Gerais do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), Luiz Fernando Mizukami (SP), técnico da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico (SEC – SP) e Daniel Rangel (SP), curador do Instituto de Cultura Contemporânea – SP são algumas das pessoas confirmadas no Seminário.


Logo que assumiu o governo, a atual administração mudou a gestão do circuito, fechou o Palácio da Liberdade para visitação e retrocedeu na instalação do Centro Cultural Oi Futuro. Como noticiou o Hoje em Dia, as mudanças chegaram a preocupar a população