O preço médio dos apartamentos novos em Belo Horizonte e Nova Lima avançou 7,67% no acumulado dos três primeiros trimestres de 2019. O percentual ficou quase três vezes acima da inflação (2,6%) apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no mesmo período, o que leva à conclusão de que o aumento real no valor dos imóveis foi de 4,94%.

O salto no preço se deve à redução do estoque de imóveis, que despencou 16,72% no confronto entre o acumulado janeiro a outubro deste ano (3.959 apartamentos) e o mesmo intervalo de 2018 (4.754 unidades). O principal motivo da queda foi a redução do lançamento de imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida.

“A redução dos lançamentos de apartamentos no padrão econômico, aqueles com preço até R$ 215 mil, caiu 42,23% de um ano para o outro, de 1.544 unidades para 892”, disse o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Geraldo Jardim Linhares Júnior.

O recuo nos lançamentos do Minha Casa, Minha vida ocorreu em razão do atraso do governo federal nos repasses às construtoras, pela escassez de recursos das fontes que sustentam o programa e, no caso de BH, pela dificuldade das empresas em conseguirem terrenos a preços baixos.

Devido a esta soma de fatores, as construtoras aumentaram o lançamento de imóveis do padrão standard, que são aqueles entre R$ 215 mil a R$ 400 mil.

“Nesta base de comparação, observou-se um aumento de 170% entre 2018 e 2019. Passou de 217 unidades para 586”, comparou Ieda Vasconcelos, economista do Sinduscon.

Mas o aumento dos lançamento neste padrão não foi suficiente para deixar o estoque com saldo positivo em relação a 2018. Por causa disso, mas também da redução do número de unidades lançadas, as vendas despencaram 12,85% no acumulado entre os 10 primeiros meses deste ano e igual período do exercício anterior.

Por outro lado, mesmo com o indicador lançamentos tendo apurado queda, quase 50% dos novos apartamentos foram finalizados e colocados à venda nos meses de setembro e outubro. Isso é um bom sinal e deixa os empresários otimistas.
“O mercado imobiliário entrará o novo ano em ritmo acelerado”, concluiu o presidente do Sinduscon.

Expectativa

O Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Grais (Iceicon-MG) cresceu 1,8 ponto frente a outubro (57,4 pontos), atingindo 59,2 em novembro passado.

“O aumento foi explicado pela melhora tanto na avaliação dos construtores sobre a situação atual da economia e de seus negócios quanto nas suas perspectivas para o futuro. O resultado de novembro atingiu o segundo nível mais elevado para o mês em nove anos”, reforçou a economista da entidade.

De janeiro a outubro deste ano foram lançados 2.435 apartamentos. No mesmo período do exercício anterior, 2.905. O saldo mostra uma queda de dois dígitos (-16,18%). Contudo, quase 50% dos lançamentos foram em setembro e outubro, o que deixa o setor confiante para 2020

Leia também:
R$ 26 bilhões: Energia renovável corresponde à metade dos investimentos em Minas neste ano
Prefeitura de Belo Horizonte cobra de Wellington Magalhães dívida de R$ 15 mil de ITBI