O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou,nesta segunda-feira (29), uma resolução que orienta os juízes do país a evitarem impor sanções pessoais, como multas e prisões, contra gestores do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais, distrital e municipais de Saúde.

A Recomendação 92/2021 destaca que os magistrados têm autonomia para decidir, mas que devem considerar “as consequências práticas” de suas decisões. Segundo o documento, na atual situação de pandemia, "decisões judiciais de urgência acabam, por vezes, impondo obrigações às autoridades de saúde de impossível cumprimento em curto prazo, em virtude da escassez de recursos humanos, de instalações, de equipamentos e de insumos para o enfrentamento à pandemia da Covid-19”.

Assinada pelo presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, a recomendação orienta também que os juízes evitem multar entes públicos ou bloquear verbas.

O texto observa a existência de uma “multiplicação de demandas judiciais” com pedidos baseados no direito à saúde, o que pode “ensejar a desorganização do Sistema de Saúde”.

Em ações sobre pedido de leitos, a orientação é que os juízes, antes de decidir, busquem o auxílio dos Comitês de Saúde estaduais e distritais e observem as classificações de risco emanadas pelas autoridades sanitárias.

Leia Mais:
Cidade mineira perde mais de mil doses de vacina contra a Covid-19 após queda de energia
Assembleia e governo de Minas desistem de prolongar feriado para conter Covid-19 no Estado