A Corregedoria da Polícia Militar do Espírito Santo está em busca de três policiais militares que tiveram a prisão autorizada pela Justiça militar, acusados de participação no motim que deixou diversas cidades capixabas sem policiamento desde o início do mês. Um quarto mandato de prisão, do tenente-coronel Carlos Alberto Foresti, foi cumprido no fim da tarde deste sábado (25), após o policial militar se entregar.

Os outros três policiais procurados são o capitão da reserva Lucinio Castelo de Assumção, o sargento Aurélio Robson Fonseca da Silva e o soldado Maxsom Luiz da Conceição.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança do Espírito Santo, o tenente-coronel Foresti se apresentou na unidade da PM do Rio em Itaperuna, cidade próxima da divisa entre os dois Estados, e foi encaminhado para o Presídio da PM do Espírito Santo, em Vitória.

Na manhã de sábado (25), as mulheres que representam o movimento de familiares que paralisou o policiamento no Espírito Santo por 23 dias, fazendo bloqueios nas entradas de batalhões da PM, decidiram acabar com o movimento, após nove horas de reunião, no Ministério Público do Trabalho capixaba (MPT-ES), com representantes do governo estadual e da Justiça. Com isso, desde o meio-dia de sábado (25), foram desobstruídas as entradas de todos os batalhões que ainda tinham bloqueios.

Leia mais:
Após 23 dias, acaba movimento das mulheres de PMs do Espírito Santo
Rede de Bolsonaro na ‘teia’ do motim no Espírito Santo
Força Nacional vai permanecer por mais 20 dias no Espírito Santo