O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), afirmou que vai cobrar do governador eleito Romeu Zema (Novo) uma dívida do Estado com a capital de cerca de R$ 500 milhões. A declaração foi dada na manhã desta segunda-feira (12) durante um evento no Restaurante Popular II Josué de Castro, localizado na região hospitalar da cidade. 

O prefeito disse que está esperando uma posição de Zema, a quem chamou por engano de Raul, a respeito da dívida. "Tem que ver o que é de Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica), o que é de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços)... Paga um pouco, deve um pouco... Mas se for lá pra trás deve dar em torno de R$ 500 milhões", afirmou. Ainda integra o montante da dívida do Estado com a capital o valor referente ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). 

Mas o pedido de Kalil pode esbarrar na crise financeira que Minas vem enfrentando. Desde que foi eleito, Romeu Zema vem sendo questionado sobre as propostas para equilibrar as contas do Estado. Além de dívidas com as prefeituras (R$ 9 bilhões) e com a União (R$ 90 bilhões), há a questão do pagamento em dia dos servidores, que atualmente recebem de forma parcelada. 

Zema já prevê também a possibilidade de herdar parte do pagamento do 13º salário dos servidores do Estado ao assumir o governo em 1º de janeiro. Com isso, haverá um aumento do rombo financeiro, que hoje soma R$ 11,4 bilhões apenas de déficit.

Zema afirmou que, assim que assumir, o secretário da Fazenda vai disponibilizar os dados referentes à planilha de governo "para que todo mineiro, a sociedade e a ALMG tomem conhecimento da gravidade da situação".

Kalil também afirmou que pretende se encontrar com presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). "Eu pretendo ir sim urgente para buscar dinheiro", declarou. ​

Proximidade com PT

Perguntado se estaria sendo cortejado pelo PT para as eleições de 2020 em caso de reeleição, o prefeito da capital negou. "O PT é muito pretencioso, devia ter acostumado com a coça que tomou aqui em BH", finalizou

Leia mais:
Restaurante popular da região hospitalar passa a servir café da manhã e jantar