Os grandes nomes do automobilismo, em boa parte, têm vida curta. Afinal, alcançar a imortalidade curva após curva tem um índice de risco extremamente elevado. Mas é o triunfo diante do risco que os torna eternos. Bruce McLaren é um desses nomes, o neozelandês entrou para a história em 1966, ao vencer as 24 Horas de Le Mans, a bordo de um dos GT40 da Ford.

Mas antes disso, Bruce já traçava sua carreira nas pistas. Fundou sua escuderia de Fórmula 1 em 1964, em Surrey (Inglaterra), onde era chefe e piloto. Mas sabia que era um peixe pequeno na categoria em que Ferrari, Lotus e Brabham já tinham se consolidado como grandes equipes. Bruce então resolveu que também deveria desenvolver um carro para provas de endurance, terreno em que já tinha acumulado experiência. 

Em 1967 ele finalizou um protótipo M6, que teve êxito nas provas do circuito Can-Am, disputados nos Estados Unidos e Canadá. A combinação do chassi tubular, carenagem bastante aerodinâmica e motor V8 5.9 da GM caiu no gosto dos americanos, como Roger Penske, que adquiriu várias unidades do M6. 

Com o aval de Penske, muitos outros corredores e equipes passaram a querer o carro inglês. O bom desempenho mostrou que a equipe poderia fitar um esportivo de série para custear sua escuderia. Afinal, Colin Chapman e Enzo Ferrari já se valiam desse artifício. 

A equipe então resolveu aproveitar a base do M6 e desenhou uma carroceria fechada. Ele queria disputar as provas do Mundial de Endurance com o carro, mas sabia que para quebrar a hegemonia da Ford, que também venceu em 1967 (e venceria também em 1968 e 1969), ele precisaria de um motor mais potente que o V8 da Chevrolet. 

Big Block
A solução seria usar o imenso bloco 7 litros do GT40, o que tornaria o carro bastante parelho com o devorador da Ford. Daí, os engenheiros decidiram que o carro poderia ser equipado com o bloco Chevy ou com o Ford. A decisão ficaria a cargo do cliente. 

O plano de Bruce era construir 250 unidades anuais. Mas no segundo semestre de 1968, a FIA mudou o regulamento para o ano seguinte, limitando o deslocamento dos motores para até 3 litros, o que frustrou os planos da empresa. Quatro carros chegaram a ser finalizados e receberam os blocos Chevrolet. Eles foram adaptados para uso urbano.

Extremamente leve, o V8 de 370 cv sobrava no M6GT, que McLaren utilizava como seu carro de uso particular. O desenho marcante e o escapamento aberto chamavam a atenção por onde o Macca passava. A McLaren ainda tentou ajustar o carro para o projeto M12, mas foi rejeitado pela FIA.

Ainda assim, Bruce acreditava que poderia vendê-lo como carro de rua, mas o acidente fatal em 2 de junho de 1970 sepultou o carro junto com o piloto. Naquela data, o chefe da equipe testava com o M8D, modelo aberto para competições Can-Am, no circuito de Goodwood. Segundo os relatos, uma falha nos apêndices aerodinâmicos traseiros fez com que o piloto perdesse o controle e batesse em alta velocidade na proteção de uma das torres de bandeiras.

A McLaren só voltou a pensar num carro de rua, no início dos anos 1990, quando Ron Dennis chamou Gordon Murray para projetar o F1, contrariando conselho de Ayrton Senna. Mas isso é história para outro dia.