Principal nome cotado para assumir a presidência da Assembleia Legislativa, o deputado Agostinho Patrus Filho (PV) já planeja as pautas prioritárias para tratar na Casa a partir do ano que vem, caso seja eleito. Somando 52 votos, segundo ele, dos 39 necessários, o parlamentar teria conquistado o apoio de 18 dos 28 partidos que terão cadeiras na Assembleia a partir da próxima legislatura.

Considerado conciliador e disposto a fazer uma ponte entre o governador eleito Romeu Zema (Novo) e os deputados, Agostinho Patrus diz ter arrebanhado duas das maiores bancadas da Casa, MDB e PSDB, que juntas têm 14 cadeiras, sendo sete para cada sigla. 

Até mesmo o PSL de Jair Bolsonaro, que elegeu seis estreantes e inicialmente não previa apoio a outros partidos na Casa, pregando postura independente, teria se rendido à figura de Patrus. 
Caso seja mesmo eleito, o deputado do PV disse que pretende dar prioridade à tramitação de propostas que possam amenizar a crise financeira do Estado.

“Embora o líder de governo seja o responsável pelo trânsito com o governador, vou me esforçar para construir pontes entre o governo e a Casa também. A prioridade são projetos importantes para Minas, como as melhorias das contas e a regularização dos pagamentos dos servidores, que merecem atenção especial”, disse Patrus.

Dos partidos mais robustos, apenas o PT, que detém a maior bancada da Casa, com dez deputados, ainda não cravou o apoio. Apesar disso, o deputado André Quintão (PT) teria sinalizado que o partido deve se alinhar a Agostinho Patrus. Quintão e o deputado Cristiano Silveira (PT) são os principais cotados para o cargo de primeiro secretário da Mesa Diretora. Por isso, o apoio da bancada petista é fundamental para selar a indicação. 

Mesmo com a maioria das alianças direcionadas a Agostinho Patrus, o deputado Arlen Santiago (PTB) deve levar adiante a candidatura própria à presidência da Assembleia. A eleição para a Mesa Diretora da Casa, incluindo a escolha do presidente, acontece em sessão plenária no dia 1º de fevereiro, data da posse de todos os deputados.