Estimativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), divulgada nesta quarta-feira (1º) em Nova Iorque, Estados Unidos, indica que 392.078 crianças nascerão em todo o mundo neste dia, dedicado à Confraternização Universal. Para 2020, o Unicef recomenda a adoção de medidas importantes pelos governos para que os recém-nascidos possam sobreviver, sobretudo em nações mais pobres.

A campanha Every Child Alive (Toda Criança Viva) do UNICEF pede que sejam feitos investimentos imediatos no treinamento de profissionais de saúde, e que estes sejam equipados com os medicamentos certos “para garantir que todas as mães e recém-nascidos sejam atendidos por mãos seguras para prevenir e tratar complicações durante a gravidez, parto e nascimento”.

A diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore, destacou que o início de um novo ano “é uma oportunidade para refletir sobre nossas esperanças e aspirações, não apenas pelo nosso futuro, mas também pelo futuro daqueles que virão depois de nós". Acrescentou que à medida que o calendário muda todo mês de janeiro, “somos lembrados de todas as possibilidades e potencialidades de cada criança embarcando na jornada de sua vida - se elas tiverem essa chance".

Segundo Fore, muitas mães e bebês não estão sendo atendidos por profissionais treinados e equipados, como parteira ou enfermeira. “E os resultados são devastadores. Podemos garantir que milhões de bebês sobrevivam ao primeiro dia e continuem vivos se cada um deles nascer por um par de mãos seguro", concluiu a diretora executiva.

Óbitos

Dados do Unicef revelam que, em 2018, 2,5 milhões de recém-nascidos morreram no primeiro mês de vida e que cerca de um terço deles veio a óbito no primeiro dia de vida. A maioria dessas crianças morreu de causas evitáveis, como parto prematuro, complicações durante o parto e infecções como sepse (infecção que se espalha rapidamente pelo corpo se não for tratada de forma rápida). Além disso, mais de 2,5 milhões de bebês nascem mortos a cada ano.

Mesmo com progressos relacionados à sobrevivência infantil nos últimos 30 anos, com a redução em mais da metade do número de crianças que morrem antes dos cinco anos de idade, em todo o mundo, o Unicef aponta que o avanço tem sido mais lento em relação aos recém-nascidos. De acordo com o órgão das Nações Unidas, os bebês que morreram no primeiro mês de vida corresponderam a 47% de todas as mortes entre crianças menores de cinco anos registradas no ano retrasado, contra 40% em 1990.

Liderança

Oito nações concentrarão o maior número de nascimentos neste dia 1º de janeiro: Índia (67.385), China (46.299), Nigéria (26.039), Paquistão (16.787), Indonésia (13.020), Estados Unidos (10.452), República Democrática do Congo (10.247) e Etiópia (8.493). Para o Brasil, a estimativa é que 8.009 bebês nascerão neste primeiro dia do ano novo. O país com o menor número de recém-nascidos hoje é Aruba (2).

Ainda de acordo com o Unicef, as estimativas para o número de bebês nascidos em 1º de janeiro de 2020 se baseiam na revisão mais recente das ‘UN’s World Population Prospects’ (Perspectivas de População Mundial da ONU de 2019).