Pela primeira vez em 23 anos, o setor de cosméticos no Brasil, país que figura como quarto maior consumidor desses produtos no mundo, retraiu. Foram 8% menos em 2015, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

No entanto, nesse cenário, os produtos masculinos andam na contramão e têm sobressaído por uma mudança de comportamento dos homens, que buscam cada vez mais cuidados estéticos. 

Enxergando oportunidade nesse segmento, uma empresa fundada em Belo Horizonte, no ano passado, conseguiu fazer o negócio crescer 600%, com previsão da mesma expansão em 2017.

A marca de produtos masculinos Don Alcides Barber Shop, dos sócios Vinícius Vasconcelos, Matheus Biccas e Joselito Francisco Gonçalves deu o “pulo do gato” com um modelo de negócio online e já está presente em todas as capitais brasileiras, com escritório de vendas na capital paulista e previsão de começar a exportar os produtos no ano que vem.

Ideia

Vinícius Vasconcelos mantém os cabelos e a barba grandes e, em um dado momento, percebeu a necessidade de cosméticos específicos para cuidar dos pelos faciais e não encontrou nenhum que não fosse importado. De tanto comprar no exterior, decidiu, então, começar a fazê-los. 

A ideia virou negócio e a Don Alcides tem, hoje, uma gama de 24 diferentes produtos revendidos em mais de 350 lojas pelo país. 

“O cosmético brasileiro é bem avaliado no exterior porque temos a Anvisa como órgão regulador de qualidade. Os EUA, por exemplo, não têm esse órgão fiscalizador”
Vinícius Vasconcelos

“Estamos de olho no que o mercado tem lançado para buscar sugestões e criações novas para a empresa. Quando a marca começou, só tínhamos linha de produtos voltada para a barba masculina, mas já temos shampoo, condicionador e outros produtos personalizados”, explica.

Após 18 meses de desenvolvimento do projeto, os sócios, em parceria com a química e engenheira de produção Heloísa Rezende, criaram os primeiros produtos e as fragrâncias da marca. “Para 2017, pretendemos ter uma linha exclusiva de perfumes com as fragrâncias Calico Jack e Barba Negra”, revela Vinícius. 

Don Alcides Barber Shop
Vinícius (centro) e os sócios monitoram as redes sociais para conhecer melhor os consumidores

Futuro

E os planos do empresário são audaciosos. Ele pretende ampliar o negócio para uma rede de franquias, inicialmente gerenciadas por ele e sua equipe.

A ideia é criar quiosques dentro de shoppings. “Serão lojas de 35 m². Não temos muitas redes de franquias voltadas para o público masculino”, avalia Vasconcelos. 

Outra novidade será o lançamento de um produto para barba incolor, diferente das tradicionais espumas. “Para quem tem muita barba, fica difícil visualizar os contornos”, afirma. 

O momento não poderia ser melhor, pois, apesar da queda no consumo geral de cosméticos no Brasil, dados do Euromonitor Internacional, divulgados pela Abihpec, em 2019, o Brasil será líder de consumo de cosméticos masculinos. Desde 2009, o número de demanda dobrou, obtendo um aumento de 7,1% a cada ano. 

Redes sociais são termômetro do sucesso da empresa

Vinícius Vasconcelos, dono da Don Alcides Barber Shop, atribui boa parte do boom online de sua marca à inibição masculina em procurar por produtos de cuidado estético nas prateleiras de supermercados e farmácias. 

“O homem ainda tem muita vergonha de comprar cosmético. E na internet não é preciso mostrar o rosto. Tem aquela esfera de ‘ninguém está vendo’ e para o público masculino funciona bem”, explica.

Além disso, o empresário, que mantém um escritório com 12 funcionários na região Nordeste de Belo Horizonte, criou algumas estratégias próprias para mensurar a preferência do público.

“É pelo Instagram que temos o maior retorno sobre nossos produtos. É lá que dimensionamos a força da marca para criarmos estratégias de vendas no site”, afirma. 

No entanto, de acordo com o empresário, não se pode descartar a importante força do público feminino, que representa 25% das vendas online da marca no Brasil. “São as mulheres que buscam os kits personalizados para presentear pais, maridos e namorados”, conta. 

Datas

Para este Natal, a previsão é que as vendas alavanquem. O empresário já trabalha na criação de kits exclusivos para a data. 

“No primeiro Natal, a loja estava recém-criada, não deu para sentir bem o mercado. Esse Natal será diferente. Será de onde tiraremos bons dados para fazer comparativos internos, prever estratégias para outras datas comerciais”, explica.