Em abril, morreu Stirling Moss. Cativante piloto inglês, adorado por todos devido à sua grande simpatia. Moss nunca ganhou um título mundial, mesmo assim é tido como um dos grandes pilotos de todos os tempos tendo vencido 212 das 529 corridas que disputou. Ele era tão querido, que a Maserati resolveu assinar o protótipo do superesportivo MC20 com seu nome. 

O anúncio foi feito no dia 13 de maio, data que ficou marcada pela vitória de Moss no GP de Mônaco de 1956, à bordo do monoposto 250F. Além disso, a relação do piloto com o MC20 também tem fundamentos no design do supercarro. Segundo a Maserati, o desenho do novo bólido foi inspirado no Eldorado, carro em que o Moss correu a "Corrida dos Dois Mudos", de 1958, como era conhecida as 500 Milhas de Monza.

O carro

Solenidades à parte, a Maserati MC20 chega para suceder as MC12, lançada em 2004 e que marcou o retorno da marca do tridente de Netuno às pistas. O MC12 foi desenvolvido para correr no FIA GT e teve 50 unidades fabricadas entre 2004 e 2005, vendidas a peso de outro. Equipado com o V12 6.0 de 632 cv, da Ferrari Enzo, a MC12 acumulou 40 vitórias em diferentes campeonatos de longa duração.

O MC20 também tenho olhos voltados para as pistas, mas a Maserati quer que ele seja mais "acessível" que seu antecessor e com uma produção mais volumosa, que amortize o custo de desenvolvimento. Trata-se de uma berlinetta com motor central traseiro e dois lugares, como uma Ferrari F8 Tributo, mas com ticket um pouco mais suave.

Na Europa, muito se fala que o carro será uma espécie de Alfa Romeo 4C anabolizado, e que terá motor V6 biturbo 2.9 litros anexado a um módulo elétrico que lhe pode render 700 cv. Ou seja, trata-se do bloco da Giulia Quadrifoglio energizado por um motor elétrico. 

Seja como for, em setembro ficaremos sabendo. Mas é certo que será um grande automóvel, afinal só de levar a simpatia de Stirling Moss, já meio caminho andado.