Dia a dia, a insistência do Comitê Olímpico Internacional (COI) de não alterar as datas de realização dos Jogos de Tóquio recebe novas críticas. Nesta quinta (19) a canadense Hayley Wickenheiser, campeã olímpica no hóquei no gelo nos Jogos de Inverno, afirmou, em entrevista à Agência Reuters, que neste momento é necessário mostrar mais compaixão e empatia.

Tóquio 2020

 Comitê Olímpico Internacional (COI) recebeu críticas por não alterar as datas de realização dos Jogos de Tóquio 

Hayley, que é membro da comissão de ateltas do COI, e que atualmente está em auto-isolamento em Toronto (Canadá) por conta do avanço do coronavírus em seu país, diz: “Apenas sinto que a insistência de que os Jogos aconteçam em julho está prestando um desserviço às pessoas do mundo em primeiro lugar, e depois aos atletas que tentam se preparar”.

Além disso, quatro vezes medalha de ouro no hóquei no gelo, afirmou que, no atual contexto, o movimento olímpico deveria mostrar “mais compaixão e empatia”.

Na entrevista, Hayley também comentou a dificuldade dos atletas se prepararem de forma adequada em um contexto de pandemia do coronavírus: “Se você estiver indo para as Olimpíadas, você quer ir lá da melhor maneira possível, sabendo que foi capaz de fazer todo o treinamento que pôde. Muitos atletas não terão essa chance”.

Leia mais:
Coronavírus: retorno do futebol na Inglaterra é adiado
GP de Mônaco de Fórmula 1 é cancelado
Superliga Masculina de vôlei segue paralisada; CBV queria o encerramento da temporada