Quando o modelo de entrada de sua marca é um carro de luxo, renovar o topo de linha é um negócio complicado. Mas não para a Mercedes-Benz. A estrela de três pontas acaba de apresentar na nova geração do Classe S, que estreia com um monte de novidades, que o amigo pode duvidar se cabe tudo dentro desse gigante de quase cinco metros e meio.

Seu desenho é uma evolução da atual geração, sem grandes radicalismos. A grade mantém seu desenho clássico, sem exagerar nas proporções, como tem acontecido com a rival BMW. E o emblema segue no topo do capô, que identifica que se trata de uma versão com apelo ao conforto, sem o viés esportivo dos modelos que levam a estrela na grade.

Na traseira a grande novidade são as lanternas. Elas utilizam formas triangulares invertidas, como na atual geração do CLA.

Mas não é só de beleza que o Classe S ratifica sua condição de maior astro da constelação da Mercedes. O sedã chega em sua nova geração com aprimoramento do sistema de segurança Pre Safe, que adiciona detector de colisão lateral, batizado de Side Impulse. O carro é capaz de perceber o obstáculo em sua trajetória e eleva a suspensão do lado do impacto para mitigar os danos. 

Por dentro

O Classe S também inaugura o inédito airbag traseiro. Esse equipamento infla para proteger quem viaja atrás. Afinal, na maioria das vezes, quem se senta nos confortáveis assentos traseiros do Classe S são os donos do carro, assim como grandes executivos e chefes de estado. Então, a bolsa frontal para a segunda fileira chega como um recurso extra, mas que não desobriga o uso do cinto de segurança.

Ainda por dentro, o topo de linha abre mão do quadro de instrumentos de duas telas e volta a utilizar uma tela para leitura de viagem, em 3D, e outra para multimídia, sistema de assistência por voz MBUX, climatização de demais funções. O que chama atenção é tamanho dessa tela OLED, que se integram ao console central. Atrás dela fica um porta objetos. 

O MBUX, além de conversar com o motorista, ajustar o ar-condicionado e abrir ou fechar janelas agora passa a ter mais atuação e pode ser controlado inclusive por quem viaja no banco traseiro: o patrão. 

Os bancos são um espetáculo à parte. Além dos ajustes elétricos, contam com massageadores e almofadas nos encostos de cabeça. O sistema de áudio Burmester conta com um conjunto de alto-falantes que cria sonoridade 4D. 

O sistema é vinculado com a função Fit & Healthy, que combina massagem com música para reduzir o estresse. Se o motorista estiver com um wearable (relógio ou fita inteligente) é possível conectar ao carro para que ele defina qual é o melhor chamego para o momento.

Fora da cabine

Um carro do tamanho do Classe S, com cerca de 5,3 metros de comprimento e 3,2 metros de entre-eixos, não é fácil de manobrar. Para facilitar a vida do motorista, o sedã conta com eixo traseiro direcional que podem esterçar em ângulo de até 10 graus.

Sob o capô, o Classe S estreia com dois motores, o primeiro e uma unidade 3.0 seis cilindros biturbo de 435 cv e 52 mkgf, que conta com eletrificação 48V, que adiciona 25 mkgf de torque e 22 cv temporariamente. 

O segundo bloco é o V8 biturbo 4.0, que segundo a marca também receberá módulo 48V, que permitirá que ele rode até 100 km/h apenas na eletricidade. A transmissão é automática de nove velocidades e a tração é integral.