Enquanto o comércio de Belo Horizonte é diariamente ameaçado pelo fantasma da crise, os outlets nadam “de braçada”. Para 2017, a Agência Brasileira de Outlets (About) prevê elevação de 40,6% no faturamento das lojas que atuam neste modelo de negócio, saltando de R$ 3,2 bilhões em 2016 para R$ 4,5 bilhões. Um recorde.

A receita do sucesso não é segredo para ninguém, mas é necessário jogo de cintura para tocá-la. Além de comercializar peças de marcas renomadas, que despertam desejo no consumidor, estabelecimentos que seguem esse modelo de negócio costumam dar descontos de até 80%, aumentando o apetite dos clientes. Para conseguir reduzir os custos, os outlets costumam se afastar dos bairros nobres.

Nas araras, coleções antigas e últimas peças, permitindo que as lojas possam escoar o estoque. A conceituada loja de roupas femininas Regina Salomão apostou nesse modelo de negócios e não se arrepende. A primeira unidade outlet da marca, localizada no Gutierrez, deu tão certo que uma segunda foi inaugurada há pouco tempo, no Prado. “Todo mundo quer uma roupa boa, bonita e com preço bom. Aliamos a este conceito a estrutura que oferecemos nas lojas comuns, como manobrista, ar condicionado e atendimento de primeira qualidade”, diz a proprietária que dá nome à marca, Regina Salomão.

No outlet da marca, as peças costumam ter descontos de até 80%. Os clientes aproveitam e costumam comprar de uma só vez quatro peças. Como reflexo, as vendas em janeiro deste ano foram 20% superiores às registradas no ano passado. “É um modelo de negócio incrível. As clientes estão sempre satisfeitas. Sem contar que o outlet ajuda a divulgar a marca. Tenho vontade de ter uma rede de outlets”, afirma Regina.

Em breve, a unidade do Gutierrez será transferida para um prédio próprio, no mesmo bairro, porém, maior. Serão quatro andares. A ideia é unir outras marcas no mesmo conceito.

“A crise favorece os outlets porque o cliente fica mais atento ao preço, quer fazer o dinheiro render mais”
André Costa
Sócio-fundador
da About

A S&M Showroom também comemora alta nas vendas. Outlet de sapatos multimarcas localizado no Santa Lúcia, a loja faturou, em janeiro, 30% a mais do que no mesmo período do ano passado. No portfólio, marcas queridinhas, como Schutz, Jorge Bischoff, Loucos e Santos, Orcade, Ferrucci e outras.

De acordo com a proprietária, Michele Silveira Brito, os itens têm desconto de até 70%. Com o preço lá em baixo, o tíquete médio sobe. “As pessoas compram muitos pares e gastam, em média, R$ 800”, comemora a empresa.

LOJAS

SÓ SORRISOS – Regina Salomão, dona da marca que leva seu nome, apostou também em outlets e vendas cresceram 20%

Até 2019, mais 12 shoppings especializados serão abertos no país

De olho no sucesso, os shoppings especializados em outlets multiplicam-se pelo Brasil. Hoje são 12 unidades deste modelo de negócios instalados no país, segundo a Agência Brasileira de Outlets (About). Até 2019, outros 12 serão inaugurados. Em Minas Gerais, funcionam duas unidades: Só Marcas Outlet, em Contagem, e BH Outlet Plus, no Belvedere.

“Uma hora ou outra, quem atua no varejo precisa de um outlet. Por meio deles, é possível regular o estoque. Por isso, os outlets costumam ser lojas próprias, não franquias”, diz André Costa, sócio-fundador da About.

Marcas fortes, como Adidas, Nike, Under Armor e Puma investiram no Só Marcas, em Contagem. De acordo com o proprietário do shopping, Mário Valadares, em 2016 as 22 lojas e sete quiosques instalados no mall faturaram, juntos, 7% a mais do que em 2015. Embora ele não abra os números por loja, Valadares revela que algumas delas cresceram dois dígitos nas vendas. “Antes da crise, as pessoas compravam em Miami. Agora, compram aqui. Muita gente da zona sul atravessa a cidade e compra conosco. Conquistamos a classe A”, afirma o empresário.

E o negócio deu tão certo que ele já pensa na próxima expansão. “Estamos negociando com Forever 21 e Mizuno”, adianta.

4,5

bilhões de reais

é o faturamento estimado dos outlets em 2017. Montante registrado no ano passado foi de R$ 3,2 bilhões, segundo About

A proprietária da Água Fresca Lingerie, Juliana Moraes, escolheu o BH Outlet Plus para instalar sua loja. “Somos um grupo de seis lojas e sempre tem peças da coleção passada ou sobras de tamanho. Como o shopping é diversificado, é ideal para a nossa marca”, afirma.

De acordo com ela, os descontos chegam a 70%. “Conseguimos boa qualidade porque são coleções antigas. Mas às vezes fazemos compras exclusivas para o outlet”, diz.

“Já estamos pensando na próxima expansão. Para isso, estamos negociando com Forever 21 e Mizuno”
Mário Valadares
Proprietário Só Marcas Outlet