Microempreendedores individuais crescem 19,7% em Minas, mas têm desafios à frente

Marciano Menezes
mmenezes@hojeemdia.com.br
27/12/2020 às 13:14.
Atualizado em 27/10/2021 às 05:24
 (ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO)

(ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO)

Minas Gerais já figura hoje como o terceiro Estado no país com maior número de Microempreendedores Individuais (MEIs) formalizados, tendo atingido até o mês passado 1.272.654 empreendimentos, o que representou um crescimento de 19,7% em relação ao mesmo período de 2019. O Estado só fica atrás de São Paulo (3.051.484) e do Rio de Janeiro (1.308.774). Hoje o Brasil já conta com 11.279.349 MEIs formalizados. O segmento deve manter a expansão em 2021, mas assim como outros setores, vai enfrentar os desafios da retomada econômica e as dificuldades para acesso ao crédito devem persistir.

O MEI existe há pouco mais de dez anos, tendo sido criado pela Lei Complementar 128/2008, com o objetivo de tirar da informalidade milhões de empreendedores. Ao se formalizar, o empreendedor passa a ter CNPJ, tem acesso à emissão de notas fiscais e ganha cobertura previdenciária.

Neste momento de pandemia do novo coronavírus, com o ano fechando com um saldo negativo de 171 mil empregos, o MEI acabou sendo a principal alternativa para muitas pessoas, segundo o gerente de inteligência Empresarial do Sebrae Minas, Felipe Brandão de Melo. 
“O MEI surgiu como uma alternativa para essa massa de desempregados, que ficou disponível para o mercado de trabalho, seja porque a empresa em que trabalhava fechou, ou porque a atividade precisou ser interrompida por uma questão de isolamento social. Isso deu um impulso muito grande para o MEI”.

Segundo ele, com o crescimento de quase 20% neste ano em relação a 2019, houve uma grande expansão de ocupações ligadas ao comércio varejista de roupa (16%), cabeleireiro (11%), promotor de vendas (34%) e preparação de alimentos para consumo residencial (37%).
“Isso aconteceu, principalmente, a partir de abril, com os efeitos da pandemia sendo mais visíveis na economia, muita gente fazendo ‘bicos’, suspensão de contratos e como complemento de renda”, afirma.

O especialista do Sebrae avalia que em 2021 o MEI deve continuar crescendo. “O MEI tem se tornado uma nova modalidade de trabalho. Podemos entendê-lo como uma política pública bem-sucedida com pouco espaço de tempo”, disse, lembrando que, além de um alternativa ao desemprego, os empreendedores começaram a descobrir oportunidade de trabalho por meio da digitalização de atendimentos e como forma de se restabelecerem no mercado.

“O principal desafio para 2021 será a retomada da economia, o começo do ano terá uma retomada mais lenta e os MEIs precisam ficar atentos para não caírem em uma armadilha. É preciso se capacitarem para que sejam capazes de gerir melhor o negócio, ficar mais atentos às oportunidades e buscar recursos nas fontes que estão disponíveis”, salienta Felipe Brandão, lembrando que, apesar da quantidade de crédito disponível hoje no mercado, e dos juros baixos, “o MEI ainda não é o cliente preferencial das instituições financeiras para poder fazer essa disponibilização de crédito”.

Na tentativa de ampliar a clientela e se manter no mercado, a empresária Bruna Ester Machado Oliveira, proprietária da loja Miríade, em Brumadinho, que comercializa acessórios, investiu pesado neste ano para divulgar a empresa. 

“Dei uma melhorada no meu site, fiz uma divulgação grande via redes sociais, inventei fretes grátis, levo maletas com produtos na casa de clientes, mas consegui sobreviver a 2020. Ainda não está fácil, mas diante da situação, com muitas empresas fechando, conseguimos aumentar as vendas”, comemora. 

Ela já estava enfrentando uma retração no comércio com a tragédia da Vale na cidade em 2019, mas contou com o apoio do Sebrae nas áreas de consultoria, finanças e marketing.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por