Foi deflagrada na manhã desta terça-feira (19) a operação Grão Brocado, contra fraudes na comercialização de café no interior de Minas Gerais, no Distrito Federal e no Paraná. No território mineiro, a operação está concentrada em Patrocínio, Santana da Vargem, Machado, Varginha e Três Pontas. 

Fruto de uma parceria entre a Receita Estadual de Minas Gerais, o Ministério Público (MPMG) e a Polícia Civil, a operação cumpre 18 mandados de busca e apreensão, dez mandados de prisão temporária e um de prisão preventiva. Além dos mandados, a Justiça autorizou a quebra de sigilo fiscal e bancário de mais de 30 contribuintes nos três estados.

Participam da operação 21 servidores da Receita Federal, 42 servidores da Receita Estadual, 72 Policiais Civis e cinco promotores de Justiça.

Crimes

Investigações da Polícia Federal identificaram empresas conhecidas como "noteiras", que foram responsáveis por emitir mais de R$ 3 bilhões em notas fiscais simulando operações e negócios para evitar o recolhimento dos impostos devidos. As investigações indicam que as empresas envolvidas mantêm uma espécie de unidade operacional de controle, cujo propósito é beneficiar terceiros criando falsos intermediários na cadeia de comercialização de grãos.

Foi apurado que o esquema criminoso visava ocultar os verdadeiros responsáveis pelo recolhimento do Funrural e pelo aproveitamento indevido de créditos do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), permitindo reduzir o valor do Imposto de Renda devido pelas reais beneficiárias e pelos produtores rurais.