As riquezas, a tradição e a harmonia da cultura e do turismo em Minas Gerais contaram com criatividade e esforço coletivo para fazerem frente à pandemia. Poucos setores foram tão afetados pela crise que se arrasta por este ano de 2020. Por outro lado, o cenário levou os dois setores a encontrarem força e apoio para se reinventarem, mantendo a trajetória exuberante construída ao longo de 300 anos.

x

“O turismo e a cultura foram muito afetados, porque são setores que têm a possibilidade de levar a gente para a rua. O turismo até mais. Acho que foi o mais impactado, porque a cultura se reinventou, de certa forma, nas lives”, pondera o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, que assumiu o cargo em maio, em pleno avanço do novo coronavírus.

Oliveira explica que, no caso do turismo, uma das alternativas oferecidas para apoio financeiro é o Fungetur, buscado pelo Estado junto ao Ministério do Turismo, que permite ao BDMG liberar linhas de crédito ao setor. Dos R$ 400 milhões disponibilizados, R$ 180 milhões já foram contratados por empresas de turismo do Estado, diz o secretário, lembrando que outros R$ 220 milhões continuam disponíveis.

O Hoje em Dia vem publicando, desde a semana passada,

uma série de matérias sobre a indústria nos 300 anos de Minas 

“Logo que cheguei, no meio da pandemia, conseguimos, em dez dias, estruturar o projeto Arte Salva, por meio do qual entregamos, até agora, mais de 600 toneladas de alimento. Naquele momento, a preocupação, sobretudo da cultura e dos guias de turismo, que ficaram sem nada, era realmente a gente distribuir alimentos e também fazermos editais”, completa o secretário.

No que se refere ao setor turístico, Oliveira fala que ocorreu, paralelamente a uma estruturação – “a partir de muita conversa com o trade turístico, monitorado o tempo todo com o nosso observatório do turismo, que foi nos dando índices mês a mês, por exemplo, da taxa hoteleira” –, a implantação do projeto Minas para Minas. O secretário informa que, em junho, a taxa de ocupação dos hotéis do circuito turístico mineiro chegou a 12%. 

“Hoje, chegamos a 36% na capital e, no interior, dentro da nossa regra de ocupar 50%, foram ocupados 100%, no Projeto Minas para Minas, que tem um investimento de R$ 3 milhões. O projeto funcionou muito mais, além do recurso, mas para nos alinhar com o trade”, acredita. Leônidas Oliveira aponta que o trabalho integrado do setor com a secretaria levou a uma movimentação que sinaliza hoje para uma faixa de 90% de ocupação nos destinos turísticos do interior do Estado.

Para a capital, cuja vocação sempre foi voltada ao turismo de negócios, Oliveira revela que foram buscadas parcerias com o setor privado e, a partir de um diagnóstico da região metropolitana, na semana passada, foi decidido trabalhar para transformar BH num hub de turismo diversificado, incluindo, por exemplo, o de aventura.
 

Arte sem fronteiras

Uma das mais fortes aptidões do Estado, a cultura – emoldurada em fortunas imateriais como o patrimônio arquitetônico e artístico das cidades históricas e da capital; as festas que reúnem religiosidade e musicalidade; e a gastronomia reconhecida ao redor do mundo –, buscou fôlego, assim como o turismo, durante a pandemia, em alternativas como o projeto Arte Salva, com edital aberto aos mais diferentes setores, como o de museus. 

O programa contemplou, ainda segundo o secretário de Estado de Cultura e Turismo, 800 artistas, que receberam R$ 1,9 mil por cada live veiculada. “Fizemos esse edital para incentivar e para não deixar as pessoas sem uma renda básica”, definiu. O Arte Salva, que reúne 60 parceiros da iniciativa privada e da sociedade civil, permitiu, entre outras ações, a estruturação de 40 lives voltadas para a arrecadação de alimentos.

Outro apoio apontado por Oliveira foi a Lei Aldir Blanc, por meio da qual mais de 500, dos 853 municípios mineiros, estariam distribuindo, a fundo perdido, R$ 300 milhões para o setor cultural no Estado.

Leia mais:

Minas 300 anos: Artesanato já dá sinais de recuperação no Estado

Minas 300 anos: agronegócio no Estado mantém otimismo

Minas 300 Anos: construção civil mantém ritmo de expansão

Minas 300 Anos: construção civil mantém ritmo de expansão

Minas 300 anos: destaque na área tecnológica, Minas cria aparelho para salvar vítimas da Covid-19

Minas 300 anos: mineração deve investir US$ 12 bi em Minas

Minas 300 anos: Senai investe em capacitação para a indústria 4.0 em Minas

Minas 300 anos: Desburocratização e simplificação de procedimentos facilitam ambiente de negócios

Minas 300 anos: Em Brumadinho, Vale prioriza atendimento às pessoas e diálogo com a comunidade

Minas 300 anos: Fiemg Lab entre os melhores hubs no ecossistema de startups