O Ministério da Saúde vai liberar R$ 14 milhões para que os municípios invistam em saúde sexual e reprodutiva. A iniciativa busca estimular ações focadas no público feminino, tendo como foco a redução da mortalidade materna, tema da Semana de Mobilização pela Saúde das Mulheres do Sistema Único de Saúde (SUS), que começa no próximo dia 28.

Segundo a União, entre as metas do projeto estão a redução de 17,5% para 15% da gravidez não planejada na adolescência até 2020; ampliar em 20% a oferta de DIU de cobre na atenção básica; aumentar de 37% para 67% a participação dos homens no pré-natal; e incluir as mulheres idosas no planejamento das ações de saúde sexual e climatério.

Em 28 de maio do ano passado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou dados que mostram que a hipertensão e a hemorragia estão entre as principais causas da mortalidade materna no Brasil e no mundo, e ocorrem principalmente pela má qualidade da assistência no pré-natal e no parto.

Segundo o Ministério da Saúde, a mortalidade materna no Brasil caiu 58% entre 1990 e 2015, de 143 para 60 óbitos maternos por 100 mil nascidos vivos.

As ações da semana serão coordenadas pela Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres, do Ministério da Saúde, em parceria com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), com o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), com a Comissão Intersetorial de Saúde da Mulher (Cismu) e entidades de classe.

Leia também:
Campanha publicitária incentiva denúncia em casos de violência doméstica e familiar

*Com Agência Brasil