O Ministério da Integração Nacional informou que está negociando com o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) a criação de Parcerias Público-Privadas (PPP) para a operação e a manutenção dos dois canais do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF). Com a privatização, a intenção do governo federal é reduzir os custos de funcionamento e manutenção dos eixos estimados em R$ 500 milhões por ano. 

Deste montante, a maior parte será com gastos em energia elétrica necessária para movimentar as estações de bombeamento, espalhadas ao longo dos 477 quilômetros dos dois trechos que estão sendo implementados. A previsão é de que até 2017 as águas do rio estejam correndo pelos dois canais e beneficie 12 milhões de moradores da região Nordeste do país.

Na última terça-feira (18), o ministro da Integração Nacional Helber Barbalho esteve com representante do BNDES para discutir o projeto. “A ajuda do BNDES será fundamental para atrair o setor privado a investir na operação e na gestão dos Canais do São Francisco”, acredita o ministro.

Transposição do rio São Francisco sem revitalização

Projeto

O Projeto São Francisco está com 90,5% de conclusão nos dois eixos, sendo 91% no Leste e 89,6% no Norte. O empreendimento vai garantir abastecimento de água para 12 milhões de pessoas em 390 municípios em Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. 

O "Velho Chico", como é conhecido, tem aproximadamente 2.800 km de extensão e é o maior rio brasileiro. Ele nasce na Serra da Canastra, em São Roque de Minas, na região Centro-Oeste do Estado, e percorre cinco estados.