São Paulo - Quase duas semanas depois da chegada da tempestade Sandy a território americano, companhias de energia dos Estados de Nova York e Nova Jersey ainda trabalhavam para restabelecer o abastecimento de energia em imóveis, hoje. Conforme as autoridades, alguns estão danificados demais para terem a luz religada.

No sábado (10), em Long Island, 300 pessoas protestaram diante da empresa de energia local. Naquele mesmo dia, cerca de 38 mil imóveis tiveram o serviço normalizado. Outros 59 mil, entretanto, continuam às escuras, e, destes, 55 mil deverão ser vistoriados antes que a religação seja concluída.

Estimativas dão conta de que Sandy deixou prejuízos de, ao todo, US$ 50 bilhões, além de ter matado pelo menos 121 pessoas, desde que o governo de Nova York elevou de 42 para 43 o número de mortos no Estado, somando a morte de um idoso de 77 anos que foi encontrado aos pés da escada da casa em que morava, no bairro do Queens, paralisado e com ferimentos na cabeça. Ele morreu, no hospital, no sábado.

O Queens foi um dos bairros mais atingidos de Nova York pela tempestade Sandy, na semana retrasada, e por uma, mais fraca, que a sucedeu, na semana passada. Neste domingo, vários nova-iorquinos foram às ruas do bairro para ajudar nos trabalhos de limpeza.

Na cidade de Nova York, este domingo foi o terceiro dia de um racionamento de combustível segundo o qual carros com placas pares e ímpares têm de abastecer em dias alternados. Os moradores também enfrentam ainda interrupções nos serviços de ônibus, trem e metrô.
 
O presidente reeleito dos EUA, Barack Obama, deverá visitar a cidade nesta quinta-feira (15).

Uma marcha em homenagem ao Dia dos Veteranos, o primeiro grande evento realizado na cidade desde a passagem do Sandy, foi transformado em um ato de arrecadação de casacos e outros suprimentos para os milhares de americanos que permanecem em abrigos.