O Ministério Público de Minas Gerais deflagrou uma operação, na manhã desta terça-feira (5), para apurar possíveis fraudes contra o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Divinópolis (Diviprev). Conforme o órgão, há indícios de ilegalidade em processos licitatórios na contratação de empresas para executar serviços de assessoria jurídica ao instituto.

Para investigar o caso, a Justiça expediu 12 mandados de busca e apreensão, que além de Divinópolis, estão sendo cumpridos em Belo Horizonte, Nova Lima e Santa Luzia, na Grande BH. Uma ordem judicial também determinou o afastamento do presidente do Diviprev.

Em nota, o MPMG informou que apura se os investigados praticaram os crimes de fraude à licitação, peculato e falsidade ideológica. Participam da ação dois promotores de Justiça, dois servidores do Ministério Público, dez delegados e 40 investigadores e escrivães da Polícia Civil.

O Diviprev foi procurado pela reportagem, mas não atendeu as ligações para comentar sobre a operação.