O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) instaurou um procedimento para investigar denúncias de que o vereador Flávio dos Santos (Podemos) tenha participado do esquema conhecido como "rachadinha" em seu gabinete, no qual funcionários devolvem parte do salário.

A TV Globo Minas e o G1 divulgaram, na última sexta-feira (2), áudios que mostram o suposto envolvimento de Santos no esquema. Com base nisso, o vereador Mateus Simões (Novo) informou que quer pedir a cassação do mandato do vereador na CMBH.  

"Ele foi flagrado em áudio e vídeo, como mostrou a Globo, confessando praticar rachadinha com vários servidores de seu gabinete. Basta avaliar um dos casos onde o motorista dele ganha o mesmo tanto que o próprio vereador, e [o motorista] confessa que repassa parte do valor", conta Simões.

Segundo ele, o pedido de cassação deve ser enviado até o fim desta semana. "O ideal seria que este pedido viesse de fora da Câmara, porque quando eu apresento um pedido eu fico impedido de votar pela cassação. Mas, imagino que até o fim dessa semana isso tenha sido resolvido", conclui. 

Uma funcionária do gabinete de Santos informou que, no momento, o vereador não irá dar nenhuma declaração sobre o assunto. 

No início do mês passado, a Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), já havia arquivado uma denúncia da prática de rachadinha por parte de Santos em seu gabinete. Nesta segunda, a assessoria da CMBH informou que não houve nenhuma nova representação contra o vereador na Casa e que, portanto, não irá se posicionar sobre o assunto.

Leia mais:
Vereadores são ameaçados de morte às vésperas da votação da cassação de Cláudio Duarte
Wellington Magalhães é citado em agenda de 'contabilidade das propinas' com valores milionários