MPE investiga sumiço na CâmaraO Ministério Público Estadual (MPE) de Minas instaurou inquérito para investigar o sumiço de equipamentos eletrônicos na Câmara Municipal de Belo Horizonte.

A iniciativa foi tomada após o Hoje em Dia revelar, com exclusividade, a existência de uma sindicância interna para apurar o desaparecimento de pelo menos dez equipamentos.

Entre eles, uma TV de 55 polegadas, cinco racks, dois microfones e dois fones de ouvido.

Todos os gestores do contrato, incluindo o então presidente da Câmara, vereador Léo Burguês de Castro (PSL) serão convocados pelo MPE para prestar esclarecimentos.

Paralelamente à atuação do MPE, o vereador Adriano Ventura (PT) defendeu que a Polícia Civil seja acionada. “Somos cobrados o tempo todo pelo cidadão. Meu Deus, isso tem que aparecer. Tem que estar em algum lugar. Agora, se sumiu mesmo, temos que chamar a polícia para solucionar este caso”, afirmou.

Os objetos extraviados fazem parte de uma compra de equipamentos realizada pela Câmara por meio da concorrência pública 01/2013. A vencedora do pregão foi a empresa Projesom Projetos e Instalações de Som Ltda.

Ao todo, o contrato, que recebeu cinco aditivos, custou exatos R$ 5.582.874 aos cofres públicos. Foram adquiridos 1.212 itens eletrônicos, incluindo dezenas de caixas de som, vídeos projetores, caixas acústicas, cabos, além de vários aparelhos de TV de última geração, dentre outros.A sindicância interna da Casa deu prazo até o próximo dia 29 para a Projesom provar que a totalidade dos equipamentos foi entregue. A firma foi notificada oficialmente em 3 de fevereiro.

Procurada pela reportagem, por telefone e e-mail, ninguém da empresa atendeu aos pedidos de entrevista.